Usamos cookies para anúncios e para melhorar sua experiência. Ao continuar no site você concorda com a Política de Privacidade.

Jogos

Carioca

17/04/21 às 16:00 - Maracanã

Escudo Fluminense
FLU

X

Escudo Botafogo
BOT

Copa do Brasil

14/04/21 às 21:30 - Frasqueirão

Escudo ABC
ABC

1

X

1

Escudo Botafogo
BOT

Campeonato Carioca

10/04/21 às 21:05 - Raulino de Oliveira

Escudo Volta Redonda
VRE

2

X

2

Escudo Botafogo
BOT

Carro dirigido por Marcinho, que atropelou e matou casal de professores, passa por nova perícia

10 comentários

Compartilhe

Carro do jogador Marcinho, do Botafogo, envolvido em acidente no Recreio dos Bandeirantes
Divulgação

Peritos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli realizaram uma perícia complementar, nesta quinta-feira, no carro que, no último dia 30, atropelou duas pessoas, no Recreio dos Bandeirantes, e era dirigido pelo jogador de futebol Márcio Almeida de Oliveira, o Marcinho. O acidente resultou nas mortes de dois professores do Cefet/RJ.

Segundo o delegado Alan Luxardo, da 42ª DP (Recreio), que investiga o caso, o objetivo da nova perícia é comparar os estragos causados no Mini Cooper dirigido pelo atleta com a velocidade que veículo estava no momento do atropelamento. O exame pericial aconteceu no pátio interno da delegacia, onde o automóvel está desde que foi apreendido pela polícia.

Marcinho prestou depoimento na última segunda-feira e alegou que estava trafegando a 60 quilômetros. No entanto, o delegado Alan Luxardo diz já ter indícios que o carro estaria em uma velocidade maior.

— A perícia vem para complementar as perícias anteriores, justamente para ter uma conexão maior do estado do veículo com a velocidade na hora do impacto. Os elementos testemunhais e os outros que colhemos até agora dão este entendimento (de uma velocidade maior) — disse o delegado.

O ex-jogador do Botafogo negou que tivesse consumido álcool antes do atropelamento. A defesa de Marcinho alegou que ele não socorreu as vítimas “por temer um linchamento”. O atleta foi indiciado por homicídio culposo (quando não há intenção de matar).

Pedido na Justiça para cremação

Na noite desta quarta-feira, a família da professora e coordenadora do curso de engenharia ambiental do Cefet/RJ, Maria Cristina José Soares, de 66 anos, que morreu nesta terça-feira, após ter sido atropelada ao lado do marido, Alexandre Silva Lima, de 44, entrou com um pedido de liminar para expedição de um alvará que autorize a cremação do corpo da educadora.

Segundo o advogado Márcio Albuquerque, que defende os interesses da família da professora junto com o advogado André Nascimento, o pedido foi feito no Tribunal de Justiça do Rio e está sendo apreciado pela Justiça. Caso a solicitação seja atendida, o corpo de Maria Cristina será cremado ainda nesta quinta-feira.

— Pela lei, em caso de morte violenta é necessária uma autorização judicial para fazer a cremação, já que isso impediria, por exemplo, uma exumação para exames complementares, se isso fosse necessário. A cremação era um desejo da professora e os filhos dela querem fazer isso, atender o desejo da mãe. Por isso, entramos com este pedido de liminar — disse o advogado.

O corpo da educadora, que morreu em um hospital particular, passou por um exame de necrópsia no Instituto Médico-Legal do Rio. O resultado do laudo ainda não foi divulgado pela polícia. Maria Cristina e Alexandre, professor de engenharia mecânica do Cefet que morreu no local do atropelamento, viviam juntos havia 12 anos.

Fonte: Extra Online

Comentários