O escândalo que resultou na prisão de seu vice José Maria Marin e na ‘fuga’ do presidente Marco Polo Del Nero das eleições da Fifa, na semana passada, deixou a CBF em posição enfraquecida. Os clubes pretendem aproveitar o momento e acelerar o processo para a criação de uma liga.

Os mandatários dos times estiveram em contato ao longo dos últimos dias para definir a estratégia de ataque.

“As tentativas nesses anos todos foram frustradas, mas penso que, com a desmoralização do sistema, tenhamos o dever como dirigente de dar um basta neste sistema”, afirmou Mario Celso Petraglia, do Atlético-PR.

“Falei com vários presidentes. Nós vamos trabalhar pela criação da liga, porque precisamos de nossa independência, que nossos patrocinadores acreditem nos clubes. Queremos fazer uma competição que possa ser vendida para o mundo. E não US$ 5 milhões que os clubes tem pela venda internacional enquanto a liga inglesa fatura 1,2 bilhões de euros”, completou.

Existem atualmente conversas para a criação do que viria a ser a Copa Rio-Sul-Minas, com a participação de times como Flamengo, Fluminense, Grêmio, Inter, Cruzeiro, Atlético-MG, Coritiba e Atlético-PR.

Os dirigentes contestam também os valores “desviados”, segundo o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, em pagamentos de propinas para cartolas da CBF e da Conmebol.

Eles pretendem ser ressarcidos pelo dinheiro que supostamente deixaram de faturar.

A princípio, a CBF não se mostra preocupada com a possibilidade e concentra seus esforços para combater uma nova CPI em Brasília.

A criação de uma liga faz parte da pauta da comissão de clubes estabelecida pela própria entidade para debater diversos assuntos.

Fonte: ESPN.com.br