Independentemente de quem comandar o Botafogo na sequência da temporada a diretoria já definiu que o clube vai passar a valorizar ainda mais os atletas promovidos das categorias de base. O bom trabalho que vem sendo desenvolvido com os mais jovens é visto como suficiente para render bons frutos em um curto espaço de tempo, principalmente em tempos complicados, de vacas magras, quando o dinheiro é curto e não dá para ir ao mercado em busca de opções prontas.

Por determinação do presidente Carlos Eduardo Pereira a meta é trabalhar com metade do elenco oriunda das categorias de base. Não por coincidência que Jair Ventura, interino que está dirigindo o elenco desde a saída de René Simões, hoje conta com 13 atletas criados em General Severiano. Alguns já vinham sendo aproveitados por René Simões como o goleiro Renan, o meia Sassá e o atacante Luis Henrique, além do meia Octávio, que retornou de um período no futebol italiano e foi logo colocado na equipe pelo ex-treinador. Outros vinham sendo utilizados de maneira mais tímida, como o volante Fernandes, o meia Gegê e o atacante Vinícius Tanque.

Com Jair Ventura ou com qualquer outro treinador, além desses, ganharão mais oportunidades o lateral-direito Diego, o zagueiro Emerson, o lateral-esquerdo Jean, os volantes Diérson e Mauro Gabriel e o meia Jeferson Paulista. Desses, Diérson foi titular na vitória de 1 a 0 sobre o Náutico, no sábado, enquanto que Diego é visto como reserva imediato de Luis Ricardo, uma vez que Gilberto, que está servindo à Seleção Brasileira nos Jogos Pan-Americanos, está a caminho da Fiorentina. Jean será titular no próximo compromisso, diante do Bahia, no sábado, às 16h30(de Brasília), na Arena Fonte Nova, em Salvador (BA), pela 14ª rodada da Série B.

“Hoje é fundamental aproveitar os jogadores que estão sendo revelados nas categorias de base do Botafogo e qualquer treinador vai ter que se adaptar a essa realidade que é uma determinação da diretoria do clube. O cenário em termos de mercado não é dos melhores e o dinheiro para investimento é cada vez mais curto. Portanto, temos que saber conduzir bem esse processo, revelar bons jogadores que possam nos ajudar com conquistas dentro de campo e render bons frutos em termos de negociação. Vejo que o Fluminense vem conseguindo fazer isso muito bem e o Botafogo está com um bom trabalho em termos de revelação de jogadores, gente com bom potencial. Logicamente que não vamos colocar a responsabilidade nas costas dos garotos, mas vamos integrá-los a esse processo de reconstrução do clube”, disse Carlos Eduardo Pereira.

A determinação de Carlos Eduardo Pereira veio desde que ele assumiu o clube, em janeiro, e foi passada ao vice-presidente de futebol Antônio Carlos Mantuano e ao diretor de futebol Antônio Lopes. O presidente é um apaixonado pela possibilidade de fazer o Botafogo voltar a ser uma fábrica de craques, como era nas décadas de 50 e 60. A demissão de René Simões passou muito por esse processo, uma vez que o mandatário entendia que ele não vinha relacionando uma quantidade considerável de jogadores oriundos da base.

Dentro de campo Jair Ventura começou a preparação para a partida contra o Bahia, mas a definição do time que vai a campo deverá ficar mesmo para as últimas atividades da semana, quando ele saberá, inclusive, com mais clareza com quais dos reforços contratados poderá contar. Chegaram ao clube os volantes Gonzalo Bazallo, que é uruguaio, Serginho, que foi vice-campeão mineiro pela Caldense e estava no Guarani, e Rodrigo Lindoso, que se destacou pelo Madureira no Campeonato Carioca, além do atacante uruguaio Alvaro Navarro. Os dirigentes tentam regularizar a documentação de todos a tempo da partida contra o Bahia.

Fonte: ESPN.com.br