Nos últimos dias, um pequeno trecho em vídeo da partida entre Botafogo e Palmeiras, que aconteceu no último sábado, no Estádio Mané Garrincha, em Brasília, ganhou as redes, foi parar no Grupo Globo e será, inclusive, utilizado pelo departamento jurídico do Alvinegro, que busca a anulação do jogo – vencido por 1 a 0 pelo Verdão. Na imagem, que mostra o árbitro Paulo Roberto Alves Junior fazendo o sinal para que a partida pudesse ser reiniciada antes da análise do árbitro de vídeo, pode-se observar uma logomarca no canto inferior direito: “NMTV”. Mas que empresa é essa que pode ajudar o Botafogo a conseguir a remarcação de um confronto do principal campeonato nacional?

A NMTVnet foi idealizada e é gerenciada por Nilton Moura, que chegou a Brasília há dez anos. Com experiência nos bastidores da televisão – conta que começou como auxiliar de câmeraman no programa do Chacrinha e se aposentou como editor de imagens -, foi à capital e, lá, resolveu apostar nesta área. Em trabalho junto a uma faculdade, montou um pequeno estúdio.

Sem orçamento, Nilton relata que, atualmente, o material da NMTVnet contém duas pequenas câmeras, um computador e uma mesa de áudio. E foi justamente com uma dessas câmeras que captou o momento que está no meio da polêmica envolvendo Botafogo, Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD).

“Como não podemos transmitir muitas imagens dessas competições, nós gravamos o jogo e depois disponibilizamos um VT. Às vezes, colocamos o jogo na íntegra e, em outras vezes, apenas os melhores momentos. Dependendo do evento, entramos ao vivo em cadeia em uma parceria com uma emissora de rádio local. Depois, disponibilizamos o vídeo com a narração. Neste caso do jogo do Botafogo, foi apenas uma câmera, por isso que tem essa imagem corrida (risos)”, explica.

O senhor de 65 anos conta que, ao colocar o vídeo no canal no YouTube, nem sequer imaginou que poderia ganhar toda essa repercussão nacional.

“Eu quis colocar o vídeo na íntegra para mesclar com a narração. Pode reparar que a narração do vídeo é típica de rádio. Mas nunca imaginei que poderia causar algum efeito deste tipo”, disse ele.

Na segunda-feira, quando toda a movimentação nos bastidores ganhou novos capítulos, o vídeo teve ainda mais visualizações, fato que tirou o sono de Nilton.

“Eu confesso que não consegui dormir de tanta emoção. A gente briga bastante para colocar uma coisa no ar. Ver tudo isso é como se estivesse sonhando. Teve muito amigo meu de longe que ligou e disse que viu a logomarca da minha TV. Ainda não caiu a ficha. Espero que possa render frutos”, avisa, antes de completar:

“Aqui em Brasília, todo mundo conhece. Pessoal deu parabéns. Às vezes, as coisas vão acontecendo”.

Ele conta que ficou surpreso ao saber que a Globo tinha usado imagens da NMTVnet, lembrando a estrutura da empresa fundada por Roberto Marinho.

“É espetacular, mostra que o trabalho está sendo visto. Quando apareceu no SporTV, me avisaram. Até estranhei eles não terem essa imagem porque a Globo tem muitas câmeras e estávamos com uma só, pequenina”, recorda.

Lembre o caso

No último sábado, Botafogo e Palmeiras se enfrentaram no Estádio Mané Garrincha, em Brasília, pelo Campeonato Brasileiro. O Verdão venceu por 1 a 0, com gol de pênalti, marcado após a utilização do árbitro de vídeo (VAR).

No lance, no segundo tempo do duelo, há uma disputa entre o zagueiro Gabriel e o atacante Deyverson. O palmeisense cai na área e, a princípio, Paulo Roberto Alves Junior marcou simulação do jogador do time de São Paulo e, inclusive, aplicou o cartão amarelo. Posteriormente, foi chamado ao VAR e marcou a penalidade, alegando um pisão de Gabriel em Deyverson.

O Botafogo pede a anulação da partida apontando que a utilização do VAR foi indevida, uma vez que Paulo Roberto teria permitido o reinício da partida e, depois disso, não poderia mais analisar as imagens.

Fonte: UOL