Ser goleiro é ocupar um cargo de confiança. Enquanto os jogadores de linha podem contar com os companheiros para salvá-los de suas falhas, o camisa 1 só tem a si. Da mesma forma, precisa inspirar, na torcida, a segurança de uma muralha intransponível. Por muito tempo, a torcida do Botafogo teve em Jefferson essa figura. Com a lesão do capitão, uma lacuna ficou exposta. Mas, hoje, o clube parece ter encontrado em quem confiar.

Nas seis primeiras rodadas do Brasileiro, já sem Jefferson, Helton Leite defendeu a meta alvinegra. No período, o time sofreu oito gols — e quatro deles aconteceram em falhas do jogador.

Depois de uma fraca atuação na derrota por 3 a 0 para o Santos, ele finalmente foi substituído por Sidão. Com o novo camisa 1, o número de gols sofridos por jogo praticamente não se alterou: foram sete em cinco partidas. Mas Sidão só teve participação direta em um deles. Ainda assim, a falha não mudou o vencedor do duelo: 3 a 1 sobre o América-MG, na oitava rodada da competição.

Além disso, o goleiro contribuiu com consideráveis defesas. Contra o Corinthians, na nona rodada, evitou que a derrota por 3 a 1 se tornasse uma goleada. E, no último fim de semana, garantiu a vitória sobre o Internacional, por 3 a 2, ao tirar um perigoso cabeceio do atacante Bruno Baio, já aos 42 minutos do segundo tempo.

— Substituir o Jefferson fez com que eu ficasse ainda mais ligado e me cobrasse para ir bem no Botafogo — disse o goleiro: — O time está crescendo, mas temos muita coisa para melhorar.

Em fase de fisioterapia, Jefferson só voltará aos gramados em dois meses. Até lá, Sidão vai fazendo sua parte.

Fonte: Extra Online