Usamos cookies para anúncios e para melhorar sua experiência. Ao continuar no site você concorda com a Política de Privacidade.

Jogos

Série B

20/06/21 às 16:00 - Aflitos

Escudo Náutico
NAU

X

Escudo Botafogo
BOT

Série B

17/06/21 às 19:00 - Do Café

Escudo Londrina
LON

2

X

2

Escudo Botafogo
BOT
Ler a crônica

Série B

13/06/21 às 16:00 - Raulino de Oliveira

Escudo Botafogo
BOT

3

X

0

Escudo Remo
REM
Ler a crônica

Engenhão: comerciantes e moradores lamentam fechamento do estádio e prejuízo

0 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Que o fechamento do Engenhão representou uma grande perda para o Botafogo tanto na esfera esportiva quanto na econômica não é mais novidade para ninguém. Entretanto, além do clube, as pessoas que moram ou trabalham no entorno do estádio também estão sofrendo com a medida tomada em março de 2013.

De acordo com moradores e comerciantes ouvidos pela reportagem do LANCE!Net, a região está abandonada pelo poder público.

– O fechamento do Engenhão foi muito ruim para nós, moradores e comerciantes. No meu caso, as minhas vendas caíram cerca de 40% – contou o comerciante José Armando Medeiros, de 51 anos, todos eles vividos no Engenho de Dentro.

Outra reclamação de José é na questão da segurança. Segundo ele, desde que o Engenhão foi fechado, aumentaram muito o número de assaltos na região.

– Se você perguntar qual comerciante não foi assaltado não vai aparecer nenhum. Fizemos abaixo-assinado pedindo mais segurança, mas até agora nada foi feito. Quando havia jogos, havia reforço no policiamento. Agora estamos abandonados – reclama José, que vende pão e outros alimentos para o Botafogo.

As melhorias para o Engenho de Dentro, prometidas na concepção do estádio – no início dos anos 2000 -, também ainda são esperadas. De acordo com os moradores, muita coisa melhorou, mas ainda está aquém das necessidades do bairro.

– Existe a promessa de obras de revitalização nesta área. Mas são obras que deveriam ter sido entregues com o estádio, há cerca de sete anos. Existe a promessa da construção de uma ciclovia, uma praça de lazer no lugar dos galpões da rede ferroviária. Estamos esperando – disse Solange Venâncio, de 48 anos, também nascida e criada no Engenho de Dentro.

Notícias relacionadas
Comentários