Um dos orgulhos do técnico René Simões enquanto esteve à frente do Botafogo era o que ele chamava de “DNA ofensivo” da equipe. Ele gostava de lembrar que sob o seu comando, o time raramente deixava de marcar gols. Não era balela.

Com René Simões, o Botafogo disputou 37 partidas oficiais. E só não balançou as redes em cinco ocasiões: Vasco 1 x 0, no primeiro jogo das finais do carioca, 0 x 0 Atlético-GO, 0 a 0 Ceará e 0 x 1 Bragantino, pela Série B, e 0 x 1 Figueirense, pela Copa do Brasil. Os três últimos resultados, por sinal, foram determinantes para a demissão do treinador.

O problema é que mesmo depois da saída de René o time continuou marcando pouco. Nos últimos quatro jogos, o time fez apenas dois gols (1 a 0 no Náutico e 1 a 1 com o Bahia). Contando com os três últimos sob o comando de René, são apenas dois gols nos últimos sete jogos.

Não por acaso, ontem Ricardo Gomes ignorou o sol de quase 30 graus e treinou exaustivamente chutes a gol. Foram quase duas horas de finalizações. De todos os tipos.

Além dos treinos, outra aposta do Botafogo para voltar a balançar as redes é o atacante Neílton. O jogador estreou no empate de 0 a 0 com o Luverdense e deixou boa impressão. Segunda-feira, o jogador, que está emprestado pelo Cruzeiro até o fim do ano, foi apresentado oficialmente. Ele deverá ser titular contra o Santa Cruz, sábado, em Recife. O alvinegro deixou a liderança da Série B na noite desta terça, graças à vitória do América-MG sobre o Paraná, em casa. Agora, o time mineiro tem 31 pontos, um a mais que o Botafogo.

Fonte: O Globo Online