O atacante Jobson foi preso na segunda-feira, na cidade de Colmeia, a 200 km de Tocantins, após decisão judicial. O atleta responde a processo por estupro de vulnerável. No ano passado, Jobson e amigos foram acusados de estuprar quatro adolescentes.

Jobson sempre negou a acusação. Por esse processo, o atacante havia sido preso em junho de 2016. Na ocasião, ele ficou detido por 69 dias, sendo liberado após pagamento de multa.

O caso inicialmente foi investigado pela Polícia Civil do Pará, mas foi transferido para a Justiça de Tocantins. A festa onde supostamente teria ocorrido o abuso de vulnerável aconteceu em uma chácara na cidade de Couto Magalhães, no oeste de Tocantins

Na época, duas jovens disseram à polícia que estavam sob efeito de bebidas alcoólicas e substâncias entorpecentes colocadas na bebida.

Ainda que não estivessem inconscientes, manter relações sexuais com menores de 14 anos é considerado crime de “estupro presumido” no Brasil. Pela lei penal brasileira, uma pessoa menor de 14 anos não possui o discernimento necessário para decidir manter uma relação sexual. Assim, ainda que ela faça sexo consensual com alguém maior de idade, tal ato é considerado estupro.

Suspenso do futebol profissional por doping até março de 2018, Jobson vinha atuando no futebol amador. Recentemente, o atacante foi suspenso de torneio em Conceição do Araguaia (PA) por agredir árbitro e adversário. A punição no torneio amador é válida por 180 dias.

Fonte: UOL