Lembra da polêmica sobre a cirurgia de Roger para a retirada de um tumor nos rins? O atacante ex-Botafogo deu entrevista reclamando que o clube não queria pagar o procedimento e foi rebatido pelo presidente Carlos Eduardo Pereira, que confirmou que o clube quitou tudo.

Um personagem da história, Cacá Azeredo, ex-vice de futebol, foi citado por Roger como o representante do clube que ligou para ele passando a posição do clube. O dirigente se pronunciou pela primeira vez sobre o caso, admitiu que por ele o Botafogo não pagaria a cirurgia, e revelou chateação com o hoje atacante do Internacional.

– Isso foi discutido em reunião da diretoria, o presidente sempre teve a palavra final. Tinha gente, e eu confesso que era dessa turma, que achava que não deveríamos pagar a operação, tinha gente que achava que deveria pagar tudo e outros que deveríamos pagar só a metade. Discutimos, e resolvemos que iríamos pagar o hospital e ele pagar o médico. Eu liguei para o Roger, acho que foi na véspera, e falei que o Botafogo havia resolvido pagar uma parte da cirurgia. Ele ficou chocado, se sentiu mal. Palavra de honra, eu achei que ele iria nos agradecer. O Botafogo não tem obrigação de pagar a operação de um funcionário, de uma doença que ele não contraiu em campo. Amanhã vem outro funcionário e vai falar que tem o mesmo problema e vai se sentir no dinheiro de receber o dinheiro para operação. O Botafogo vai ser uma empresa de plano de saúde? Todas as contusões dentro de campo cumprimos com as nossas obrigações. Pagamos duas cirurgias do Jefferson, duas do Airton, do Canales, umas cinco cirurgias de joelho… No final, o Botafogo pagou toda a operação dele, o médico e a casa de saúde. Eu fiquei chateado porque ele disse que jamais jogaria pelo Botafogo por causa daquele telefonema – desabafou Cacá Azeredo à Rádio Globo.

Fonte: Redação FogãoNET