A briga entre Vasco e Fluminense pelos lados das torcidas do Maracanã ganhou mais um capítulo no final da tarde desta sexta-feira. Em assembleia extraordinária realizada na sede da Federação de Futebol do Rio de Janeiro (Ferj), a entidade resolveu manter o o parágrafo 6º do artigo 16 do regulamento do Campeonato Carioca.

Tal artigo diz que “também é função da Federação determinar locais das torcidas em clássicos, semifinais e finais”, visto que a entidade não aponta mando de campo em jogos entre os quatro grandes.

Tal decisão incomodou os representantes do Fluminense após a reunião. No entanto, a Federação se defendeu e disse que os advogados tricolores presentes não atentaram ao fato durante a votação, não se mostrando contra, e deixaram o artigo “passar”.

Os dirigentes do Fluminense se revoltaram pois sabem do prestígio de Eurico Miranda, presidente do Vasco, junto à Federação. E o polêmico mandatário já sinalizou que pretende voltar a torcida do Vasco ao lado à direita das cabines de rádio e TV.

Tal fato incomodou o presidente do Fluminense, Peter Siemsen. O tricolor alega que tem um contrato com o consórcio Maracanã que o garante a posição à direita das cabines nos jogos no estádio.

A Federação rebate a versão. E lembra que tal contrato nunca lhe foi mostrado e que os jogos do Campeonato Carioca são organizados pela entidade, sem decisão dos clubes em local de jogos e de entradas de torcida.

Tentando se esquivar de uma futura confusão, o presidente da entidade, Rubens Lopes, disse que aguarda um acordo entre os clubes. E que se o mesmo não ocorrer, poderá indicar outros estádio para as partidas entre os clubes discordantes.

Procurado, o Consórcio que administra o Maracanã informou que não irá se pronunciar sobre o imbróglio por enquanto.

Fonte: UOL