Há uma semana exatamente, Jefferson voltou a com luvas pela primeira vez após choque grave em divida com Lucas Paquetá, no clássico contra o Flamengo. Desde então, enquanto o ídolo de 35 anos encarava uma delicada recuperação e Gatito acelerava na fisioterapia, Saulo assumiu a meta.

Além de Saulo, que já acumula 16 jogos na temporada, Diego é outro jovem que já teve chances (duas) como titular – iniciou contra o Sport e o Bahia, em jogo de ida pelas oitavas da Sul-Americana. Ambos ainda não são unanimidade na torcida alvinegra.

– Com goleiros mais jovens há certa impaciência, colocam na conta deles algumas situações que eu não concordo. Com goleiro de mais nome, mais experiente, passa batido. Eles estão dando conta do recado totalmente. Falaram que ele (Saulo) falhou no jogo contra o São Paulo, eu não concordo nem de perto. Quem realmente conhece da posição, se olhar direitinho a jogada vai ver que ele ainda fez a defesa, a bola iria entrar direto, conseguiu uma defesa dificílima, a um metro dele, três jogadores passaram e furaram a cabeçada, ele reagiu e ainda conseguiu fazer a defesa.

– O Diego contra o Bahia lá, se aquela bola que tomou um gol de cabeça entra direto ninguém ia comentar nada. O cara cabeceou a um metro e meio dele, ele ainda reagiu, bateu na bola e por infelicidade ela foi para dentro do gol, mas podia ir para qualquer lugar. Foi uma defesa até boa de velocidade de reação. Pena que entrou e tomou o gol – finalizou o especialista da posição do Glorioso – afirmou o preparador de goleiros Flavio Tenius à Rádio Brasil.

O próximo compromisso do Botafogo é o clássico contra o Vasco, nesta terça-feira, às 21h (de Brasília), pelo Brasileirão. A tendência é que Saulo permaneça como o goleiro titular da equipe de Zé Ricardo.

Fonte: Terra e Rádio Brasil