Ficar fora da Libertadores foi um golpe duro para o torcedor alvinegro no fim da temporada passada. Com a decepção superada, ter um início de ano mais tranquilo pode ser um trunfo, até mesmo para voltar a se classificar para a competição no ano que vem.

Se há exato um ano o Botafogo já estreava na Libertadores a esta altura da temporada, em jogo decisivo contra o Colo Colo, do Chile, agora o clube ainda apresenta reforços e tem como principais compromissos jogos do Campeonato Carioca e o confronto contra o Aparecidense, na quarta, na estreia na Copa do Brasil.

A pressão menor é favorável para um time em formação, que começa a assimilar o estilo de jogo de um novo treinador e tem competições de peso maior e fases mais importantes da Copa do Brasil, caso se classifique, só a partir de abril. A estreia no Brasileiro é dia 15/04, contra o Atlético-MG, e na Copa Sul-Americana, contra o Audax Italiano, do Chile, três dias antes.

— Eu cheguei e já senti que o ambiente está muito leve e o trabalho está sendo bem realizado pelo Felipe para no fim do ano a gente conquistar coisas maiores, conquistar títulos e voltar para a Libertadores — analisou o recém chegado Kieza, apresentado ontem.

A maré mais calma, porém, não é sinônimo de treino leve. Pelo contrário. Ontem, trabalhando com o grupo completo pela primeira vez na semana, Felipe Conceição viu um treino disputado e teve dois sustos. O primeiro com Brenner, que sentiu o pé direito depois de uma dividida, e depois com Pimpão, que precisou levar três pontos no supercílio. O atacante foi atingido no rosto por Marcelo que levantou o pé imprudentemente em uma disputa de bola.

Dividindo titulares e reservas, Conceição deu indícios que deve repetir a escalação dos últimos jogos. A exceção da escalação no treino foi Dudu Cearense no lugar de Matheus Fernandes, que ficou no departamento médico tratando dores no dedão do pé. Apesar da ausência na atividade, a princípio, o jogador vai para o jogo contra o Madureira, no sábado, ás 19h, no Nilton Santos.

Fonte: Extra Online