“Que defesa e justiça”. Esta frase foi proferida por sócios em uma reunião para alterar o nome “Clube do Carro Velho”. Por mais bizarro que pareça, assim nasceu o Defensa y Justicia com os seus primeiros passos no futebol argentino profissional e que, agora, está no caminho do Botafogo para a primeira fase da Copa Sul-Americana. O primeiro duelo será realizado no dia 6 de fevereiro, no Estádio Nilton Santos. O segundo, em Florencio Varela, cidade a cerca de 50km de Buenos Aires, ocorrerá dia 20 do mesmo mês.

Atualmente, o Defensa y Justicia é comandado por Sebastián Beccacece, de apenas 38 anos e tido como sensação, sobretudo por ter sido auxiliar de Jorge Sampaoli, por 13 anos, inclusive na seleção argentina, e estar em alta com uma equipe sem muita tradição local.

Neste que é apenas o segundo trabalho de Beccacece como treinador – o primeiro se deu na Universidad de Chile -, a invencibilidade do time verde e amarelo na Superliga salta aos olhos. São oito vitórias, seis empates e 30 pontos somados, só ficando atrás do Racing, que lidera por seis pontos a mais.

Em contato ao LANCE!, Germán García Grova, jornalista da TyC Sports, contou com mais detalhes sobre as principais virtudes e fraqueza do clube argentino.

– É uma equipe que cresceu muito nos últimos anos, ainda mais com a chegada do Beccacece. Joga um bom futebol, tem muitos jovens jogadores e isso é um ponto alto da equipe, que tem muita dinâmica, triangula e costuma sair jogando de trás, como gostamos. Pratica um futebol lindo – analisou Germán, antes de sublinhar os contras:

– A juventude também pode ser um ponto baixo, ser algo perigoso, ainda mais pelas Copas pedirem experiência. Eles estiveram muito próximos de deixar o Junior (Barranquilla) de fora da Sul-Americana deste ano, só caíram pelo gol qualificado, nas quartas – completou.

Nesta temporada, pela Sul-Americana, conforme dito pelo jornalista argentino, o Defensa y Justicia chegou até às quartas, quando foi eliminado pelo vice-campeão – no agregado 3 a 3. Passou pelo colombiano América de Cali, pelo equatoriano El Nacional e pelo conterrâneo Banfield nas fases anteriores.

Fundado em 1978, o acanhado Estádio Norberto “Tito” Tomaghello tem capacidade para cerca de 10 mil pessoas. Lá é a casa do experiente Jonás Gutiérrez, ex-jogador da seleção argentina e Newcastle, e dos promissores jovens Matías Rojas, meia e autor de seis gols em 11 jogos pelo nacional, e Lisandro Martínez, zagueiro sublinhado por German como um “ótimo marcador”. Em suma, o Botafogo, ainda em busca de bons reforços, terá uma pedreira pela frente logo no início da temporada 2019.

Fonte: Terra