A festa pelo acesso à Série A do Brasileirão já pode começar no Botafogo. O Alvinegro garantiu o seu retorno no jogo contra a Luverdense, nesta terça-feira, no estádio Municipal Passo das Emas na cidade de Lucas do Rio Verde, no estado de Mato Grosso. Ao mesmo tempo em que o time reconquista o seu lugar na elite, fica o sentimento de nunca mais querer amargar o fardo do segundo escalão do futebol nacional.

“Futebol não é fácil. É tudo muito difícil. O Botafogo está voltando depois de ter sofrido esse baque terrível que teve graças ao ex-presidente que deixou o clube sem nenhum recurso para montar um plantel à altura. Mesmo assim, esse pessoal que está lá teve a capacidade de montar um elenco digno”, afirmou Jairzinho, o Furacão da Copa de 70, que tem mais de 20 títulos pelo Botafogo. Entre eles, a Taça Brasil de 1968.

Outros ídolos de tempos áureos do Botafogo, como Amarildo, Manga e Wágner, também comemoraram o retorno do clube à Série A. Apesar da felicidade em ver o clube indo bem, eles mostraram preocupação com o futuro do Glorioso.

“É muito difícil ver a situação do Botafogo como está, mas são coisas que acontecem. O futebol é assim. É muito importante para o Botafogo estar na Primeira Divisão, como era no passado em que nunca imaginava-se o clube em outro lugar”, disse Manga, também campeão da Taça Brasil de 1968. O goleiro teve o seu discurso engrossado por Amarildo, que conquistou o “Robertão” de 1962.

“O Botafogo não é time de disputar campeonato para se salvar. O Botafogo é um clube que sempre foi vencedor, brigando nos primeiros lugares ou terminando os torneios em classificação honrosa. Dessa maneira que está, apaga muito a força do passado do Botafogo. O apelido de Glorioso já diz tudo. Ele está perdendo isso. Está faltando aquela consciência vitoriosa, o comportamento de ser superior ao adversário. Se você não se sentir superior, vai se achar um derrotado. Não estou dizendo para passar por cima, é mais uma forma de estímulo”, comentou.

Com a vaga conquistada na Série A, agora é buscar o título da Série B e pensar na temporada 2016. Wágner, goleiro campeão brasileiro de 1995, acredita que o time da Série B pode ser usado como base do elenco do ano que vem e pede novos reforços.

“Acho que o elenco tem qualidade. Tem Carleto, o Arão, o Navarro e o zagueiro Renan Fonseca. Além do Jefferson, que é o ídolo. Acho que o Botafogo precisa segurar essa base para não começar do zero. O Daniel Carvalho também pode ser bastante útil na próxima temporada. Com esses jogadores que eu falei mais o Jefferson e Luis Henrique dá para fazer uma boa base. Óbvio que precisamos de uma equipe mais forte. Por exemplo, o Vasco não tem um time péssimo e está brigando contra o rebaixamento. O nível é outro, o clube precisa se organizar e se estruturar para conseguir permanecer na Série A, que é o principal objetivo para 2016”, disse o ex-goleiro. Amarildo também pediu mais investimento.

“O Botafogo tem de fazer sacrifícios e gastar, mas sabendo que está gastando com consciência que lá na frente isso tudo vai se pagar com uma venda ou uma premiação, por exemplo. Tem que ser uma escolha muito seletiva e ter um gestor que saiba fazer esse mapeamento e não cometer erros. O Botafogo tem que lutar para ganhar campeonatos e revelar jogadores, sempre foi assim. Não pode mudar”, comentou o ex-atacante do Glorioso.

Para encerrar, Manga pede que o elenco de 2016 “entenda” o que é o espírito de defender o Botafogo e a responsabilidade de atuar com a camisa do Glorioso.

“O Botafogo tem uma grande presença mundial por conta de grandes jogadores como Nilton Santos, Zagallo, Amarildo, Garrincha… É hora de o Botafogo levantar a cabeça, passar por cima do que aconteceu e suar a camisa os noventa minutos”, pediu o ex-goleiro.

Fonte: O Dia Online