As zagas de Botafogo e Flamengo têm a mistura ideal para uma boa dupla de defensores: a experiência de Carli e Réver e a juventude de Igor Rabello e Léo Duarte, respectivamente. Os dois jovens, crias de General Severiano e Gávea, são titulares absolutos hoje em dia, e, para chegarem a tais condições, tiveram trajetórias parecidas. Neste sábado, os promissores defensores estarão de lados opostos no clássico disputado no Estádio Nilton Santos, às 19h, pela 33ª rodada do Brasileirão.

Titular em 28 das 32 rodadas, Léo Duarte, hoje, é incontestável na zaga rubro-negra. A segurança com que atua nem parece a de um atleta que começou o ano como quarta opção na defesa, atrás de Réver, Juan e Rhodolfo, todos mais experientes que o camisa 43. Cria das categorias de base da Gávea, o zagueiro percorreu um longo caminho até alcançar a condição atual.

Campeão da Copa SP de Futebol Júnior em 2016, Léo foi integrado ao elenco profissional no mesmo ano, mas as duas primeiras temporadas foram de poucas oportunidades no time principal. Atuar pouco o incomodava, admite, mas o defensor também não esconde o carinho pelo clube que o revelou e projeta conquistas maiores a partir desta temporada.

– Procuro trabalhar bastante pois foi difícil a corrida até chegar no time profissional. Fiquei dois anos parado, mas sempre buscando, me dedicando. Graças a Deus a oportunidade apareceu e consegui me firmar. Agradeço muito ao Flamengo porque quando eu era mais novo às vezes faltava o alimento em casa, nunca passei fome, mas a gente passava necessidades e o clube me deu a chance de ajudar a minha família. Sou muito grato, pretendo ficar aqui o maior tempo possível e conquistar muitos títulos – afirmou o camisa 43.

Um ano mais velho que o adversário, Igor Rabello já não é novidade entre os titulares do Botafogo. Foi assim em 2017, quando o jogador de 23 anos foi um dos destaques do sólido sistema defensivo montado por Jair Ventura, então técnico do Alvinegro. Com poucos problemas físicos e distante de suspensões (apenas uma ausência por esta razão), o zagueiro é quem mais joga pelo time na temporada sem dar margem aos concorrentes. Yago, Kanu e Helerson praticamente não atuam.

Rabello chegou às categorias de base do Alvinegro em 2012, sendo campeão carioca juvenil em 2014 e integrado ao elenco profissional em 2015. As chances, no entanto, não apareceram de cara. Assim, em 2016, foi emprestado ao Náutico e disputou a Série B com certo destaque, retornando a General Severiano no ano seguinte, ainda sem grandes pretensões. Quando a oportunidade apareceu, tanto no Estadual quanto na Libertadores, Rabello foi bem e não saiu mais da equipe. Hoje, sob o comando de Zé Ricardo, o defensor segue em evolução.

– Seria utópico falar que teve crescimento com a minha chegada. Já vem sendo efetivo há muito tempo. É um atleta que mostra um crescimento, extremamente profissional, ímpar na postura. Tenho certeza que coisas boas acontecerão na carreira. Merecimento na vida é tudo. Se tiver oportunidade de ir num grande clube na Europa, certamente vai ter destaque porque tem se preparado para isso – analisou o comandante do Botafogo.

Zagueiros despertam interesse europeu e clubes se protegem

Igor Rabello, 23 anos, e Léo Duarte, 22 anos, são dois dos zagueiros mais promissores do futebol brasileiro e, portanto, já despertam o interesse de clubes europeus. Assim, os dois tiveram seus contratos renovados nesta temporada: Rabello assinou com o Botafogo até o fim de 2021, enquanto Léo Duarte tem vínculo com o Flamengo até dezembro de 2022.

Rabello já esteve perto de deixar General Severiano por duas vezes. Em 2017, a Udinese fez um proposta de R$ 11 milhões pelo zagueiro, mas o Botafogo recusou por considerar o valor baixo. O clube italiano sinalizou aumentar a oferta para R$ 15 milhões, mas não o fez e o negócio não foi para frente.

Neste ano, o Alvinegro aceitou a proposta do checheno Akhmat Grozny, que disputa o Campeonato Russo, de R$ 25 milhões, mas o destino não agradou ao defensor, que preferiu ficar no Botafogo. Clubes da Alemanha e da Bélgica também já sondaram a situação do defensor.

Ao Flamengo, por sua vez, ainda não chegaram propostas por Léo Duarte. O camisa 43, no entanto, já ganhou destaque nos principais veículos de comunicação da Europa. O jornal italiano “Corriere dello Sport” colocou o zagueiro Léo Duarte entre as joias da Gávea a serem observadas. A publicação o apontou como um “outro ouro depois de Paquetá”, que defenderá o Milan a partir de janeiro.

O Flamengo detém 50% dos direitos econômicos de Léo Duarte, que se destaca pela qualidade na saída de bola, recuperação em velocidade e no desarme por baixo.

Fonte: Terra