Se hoje Jair Ventura colhe os bons frutos do trabalho no Botafogo, nem sempre as coisas foram fáceis para o treinador. Depois de passar muito tempo como auxiliar do clube, o técnico teve sua grande chance num momento de extrema dificuldade.

Ano passado, o Botafogo estava em 17º lugar e na zona de rebaixamento quando o técnico Ricardo Gomes recebeu uma proposta do São Paulo e resolveu deixar o Glorioso para treinar o tricolor paulista. Jair, que já havia comandado a equipe de forma interina em três partidas na Série B no ano anterior foi confirmado pelo presidente Carlos Eduardo Pereira como o sucessor de Ricardo. Uma escolha ousada e que acabou dando certo, mas que poderia ter encerrado de forma precoce a carreira de Jair Ventura como técnico.

“Você espera pelo pior. Num momento difícil, você pode praticamente encerrar a carreira. Quando o Carlos Eduardo [Pereira, presidente do clube] me deu essa oportunidade, eu não pensei duas vezes. Ele me ligou e falou: ‘olha, o time está na zona de rebaixamento. Vai pegar?’, eu falei: ‘já peguei’. Agarrei com tanta força que eu quebrei minhas unhas (risos). Eu não podia deixar essa oportunidade passar. A gente não sabe quando o trem vai passar. Confiei no meu elenco. E a gente não pode mentir. Se a gente fosse rebaixado, eu estaria encerrando minha carreira praticamente. Mas eu confiei no meu grupo. E fico muito feliz porque eles são os grandes responsáveis. Não adiante eu ter boas ideias se o grupo não abraçar. Se você for ver, a gente perdeu jogadores importantíssimos e continuou bem. É gratificante. Fico feliz que tenha acontecido dessa maneira”, analisou o treinador do Botafogo, em entrevista à edição carioca do programa Donos da Bola, na Band.

Em sexto lugar no Brasileirão e brigando por uma vaga na Copa Libertadores do ano que vem, o Botafogo recebe o Vitória neste domingo, às 16h, no Estádio Nilton Santos.

Fonte: Torcedores.com