Jair Ventura vive o maior momento de conflito com a torcida do Botafogo, desde que assumiu o comando técnico do clube. No último sábado (04), após derrota no clássico para o Fluminense, o treinador ouviu vaias e gritos de burros no Nilton Santos. A grande razão para o protesto é o fato de o meia Leo Valencia, que tem prestígio com os alvinegros, estar sendo pouco aproveitado, e muitas vezes o lateral esquerdo Gilson estar sendo utilizado no meio de forma improvisada.

Depois da vitória contra o Sport, na quarta-feira (08), na Ilha do Retiro, o treinador foi questionado se o momento era de pedir apoio aos torcedores e deixar as vaias para trás, para tentar aproveitar o bom momento e a sequência de dois jogos no Nilton Santos. Entretanto, o treinador ‘se recusou’ a pedir incentivo dos torcedores e disse que os botafoguenses podem agir da forma que quiserem.

“Não. O torcedor é o grande patrimônio de uma equipe. Eu não tenho que pedir nada a eles. Eles têm o direito de vaiar. Se eles quiserem aplaudir quando a gente ganhar, podem aplaudir, mas não tenho que pedir nada. Sigo trabalhando, fazendo meu trabalho. Realmente, nem sempre vou agradar a todos, mas tenho minhas convicções e com elas eu vou morrer. Vou acertar e vou errar com as minhas convicções”, disse.

Pivô do conflito entre torcedor e treinador, Leo Valencia foi opção contra o Sport e não entrou mais uma vez. O chileno não atua desde o dia 23 de outubro, quando entrou na parte final do segundo tempo do jogo contra o Corinthians. Desde que chegou ao Rio de Janeiro, o atleta disputou dez partidas e não marcou gol.

Fonte: Esporte Interativo