O volante Jean renovou seu contrato com o Botafogo e o pensamento é mais que positivo para a temporada. Feliz por conseguir permanecer no Glorioso em 2019, o jogador completará seu terceiro ano no Rio de Janeiro e está mais que adaptado ao clube e cidade. Conhecido por sua garra e determinação em campo, Jean abriu o coração também sobre aprendizado no Fogão, principalmente para 2019 após conversa com Zé Ricardo e sua comissão técnica.

– Esse é meu terceiro ano de Rio de Janeiro e falei nesses dias que estou super adaptado. Passei o ano casado, mais fácil de suportar(risos). Tem sido muito bom aqui no Botafogo. Ano passado eu fiz menos jogos comparado aos outros anos, mas tive uma evolução muito grande em gols e assistências. Tem tudo para ser um grande ano novamente. Dezembro foi super longo para mim, um mês que parecia um ano. Já tinha conversado com o Anderson Barros e com o Presidente, a decisão estava tomada, mas envolvia muita coisa, questões burocráticas e interesses de um clube ou outro. Mas quando chegou a hora de tomar a decisão eu nem pensei em outra opção. Demorou, foi muito ruim pra mim, mas fico feliz por estar de voltar e ter tomado a decisão certa. Espero que seja um ano feliz – disse o volante.

Confira os demais trechos da entrevista coletiva do volante Jean:

CONSELHOS E APRENDIZADO PARA 2019

– Foi um ano bem atípico na minha carreira, pude parar e rever algumas coisas. Quando me reapresentei alguns da comissão me chamaram para conversar, que precisava mudar alguns conceitos meus, que tinha que dar uma poupada. Não dá para ser ligado no 220 sempre. No Botafogo eu não tenho vivido só a parte de jogar no clube, mas sim a minha parte como atleta. Aprendi muita coisa aqui.

CONSCIÊNCIA E APOIO DE ZÉ RICARDO

– É bom ser o maior ladrão de bolas. É bom, mas acredito que será muito melhor se eu ajudar a equipe a preencher um espaço, ajudar a um companheiro a roubar a bola, ficar mais com a bola. Tenho aprendido com o Zé a saber o momento certo para usar a minha força. Acredito que possa ser uma consequência desse ano, mas fico feliz por trabalhar com um treinador que conhece minhas limitações e me ajuda a evoluir.

A IMPORTÂNCIA DA PRÉ-TEMPORADA

– 2016 eu fiz no Paraná. Em 2017 e 2018 foi abaixo do comum, com as coisas já em andamento. Começar desde o início com todo grupo, com a comissão técnica e diretoria me conhecendo… A pré-temporada para mim nesse ano vai ser primordial visando jogar o ano inteiro. Sabemos que aqui temos uma boa preparação, tendo em vista a quantidade de jogos que o Rabello fez na temporada passada, o Lindoso. Trabalho para fazer um grande número de jogos.

TIME REVITALIZADO

– O Zé queria versatillidade, mas vitalidade também.. Deu uma refrigerada na equipe e muitos precisavam de novos ares. Não vejo os novos contratados como apostas. Já joguei contra o Alan, o Alex, o Gabriel. São jovens, mas de grande rodagem e cancha. Tem tudo para dar certo. Perdemos dois volantes, mas temos os contratados, o Rickson e o Wenderson treinando bem. Acredito que a nossa equipe tem condições de brigar de igual para igual.

AMISTOSO CONTRA O MADUREIRA

– O amistoso de amanhã funciona mais para ganharmos mais um ritmo de jogo, o momento para nos entrosarmos mais, principalmente pelos meninos que estão chegando. Um jogo para dar carga e volume para enfrentarmos a Cabofriense com um time mais entrosado.

CAVEIRA

– Para ser igual aos caras do BOPE… É surreal. Foi muito motivador. O mercado é bem estreito e ele abriu nossos olhos para que a gente possa aproveitar cada momento da nossa vida como se fosse último. Viver intensamente não significa ir de peito aberto para morrer, mas sim estrategista para ir com perfeição. A questão de ser sniper é que talvez você só tenha um tiro e tem que usar com perfeição. Ainda bem que não precisamos atirar em ninguém aqui(risos).

Fonte: Site oficial do Botafogo