Desde de que deixou o Botafogo, Jobson retornou para sua cidade natal em Conceição do Araguaia, no Pará. Por lá, o jogador acabou sendo detido pela polícia local e acabou escrevendo o último capítulo no seu histórico de jogador problema. Neste domingo, o ex-atleta alvinegro falou pela primeira vez sobre este caso.

“Fui surpreendido por dois soldados quando já estava em casa. Eles me agrediram. Bateram no meu rosto. Me arrastaram. Foi tortura. Foi racismo”, disse o jogador, em entrevista ao Esporte Espetacular, da TV Globo.

Jobson foi detido no início de julho pela polícia do Pará. Ele dois dias na prisão e só foi liberado após pagar mais de R$ 7 mil em fiança. O ex-jogador do Botafogo está sendo investigado por direção perigosa, embriaguez ao volante e desacato à autoridade. Suspenso pela Fifa por 4 anos, o atacante também aguarda que seu caso seja revisto pela entidade.

“Já chorei muito. Espero que a Fifa reduza minha pena, que ela possa me ver como humano. Estão tirando o que eu mais gosto e fazer”, encerrou.

Fonte: O Dia Online