Leo Valencia chegou ao Botafogo com fama de carrasco do Flamengo por ter feito gol da classificação do Palestino, do Chile, na Copa Sul-Americana de 2016. A adaptação em General Severiano, porém, não foi nada rápida. Ele alternou bons e maus momentos e recebeu muitas vaias em alguns jogos. A história começou a mudar neste Campeonato Brasileiro.

Já antes do recesso para a Copa do Mundo, o chileno mostrou que poderia contribuir de alguma forma. Foram boas atuações e participações decisivas com gols e assistências. Além disso, ele sempre mostrou muito empenho na marcação, o que foi muito elogiado pelas várias comissões técnicas que passaram pelo Botafogo.

O problema em questão era a irregularidade. Valencia fazia um bom jogo e ficava outros três sem corresponder. Com isso, oscilou entre a titularidade e o banco de reservas em algumas oportunidades.

Contra o Flamengo, no entanto, o apoiador teve sua melhor atuação com a camisa do Botafogo. Em um clássico decisivo, ele deu uma assistência e marcou o gol da vitória por 2 a 1. Substituído nos acréscimos por Renatinho, foi ovacionado pelos torcedores no Nilton Santos.

“Desde que cheguei, trabalho sério para melhorar. Futebol é momento. Agora, conseguimos ganhar dois jogos, e a confiança aumenta bastante. Espero seguir melhorando para fechar o ano da melhor maneira”, disse Leo Valencia.

“Clássico você tem que deixar sua vida lá dentro para ganhar. Consegui fazer gol e ajudar nessa vitória importante. Estamos encarando cada jogo como uma final. Acho que ainda não conseguimos sair do perigo do rebaixamento, mas foi uma vitória muito importante em casa. Vamos para Chapecó para vencer. A terceira vitória seguida seria muito importante para a gente e precisamos ganhar em Chapecó”, completou o chileno.

Com a vitória sobre o Flamengo, o Botafogo chegou aos 41 pontos, pulou para a 12ª posição e deu importante passo na luta contra o rebaixamento. O Alvinegro tenta emplacar a terceira vitória seguida para se garantir de vez na elite do futebol brasileiro. O desafio é contra a Chapecoense, em Santa Catarina.

Fonte: UOL