Aos 34 anos, o meia Montillo, ex-Cruzeiro, Santos e Botafogo, vem atuando em alto nível na Argentina e é um dos destaques da campanha do Tigre na Superliga 2018/19. Ele é o líder em assistências do torneio, com nove passes decisivos, e tem quatro gols. Por conta da boa fase, o ‘camisa 14’ foi muito assediado por torcedores de diversos clubes em transmissão ao vivo realizada na noite dessa segunda-feira no Instagram. Muitos queriam saber: onde ele jogará a partir de junho, quando vence o contrato com os ‘Azules del Norte’.

“Em junho, fico livre. Se vou renovar, não sei. Estamos jogando e buscando coisas importantes, creio ser muito cedo também, porque o campeonato não terminou. Mas estou muito cômodo no Tigre. Falaremos no momento adequado”, disse Montillo aos seus fãs.

Apesar das mensagens de cruzeirense e botafoguenses, Montillo deixou escapar que sua prioridade é seguir jogando em um país de língua espanhola. É que o filho mais novo dele, Santino, que nasceu com síndrome de Down, está adaptado ao idioma. As passagens por Brasil e China geraram dificuldades no aprendizado.
“Meu filho precisa estudar espanhol, ele está super adaptado à Argentina. Por isso, acho difícil voltar a jogar no Brasil. Mas tudo pode acontecer”, disse Montillo ao responder a um torcedor do Botafogo sobre a chance de voltar a atuar no Rio de Janeiro.
Embora tenha sido elogiado principalmente por torcedores de San Lorenzo, da Argentina, e La U, do Chile, Montillo garantiu que dará preferência nas negociações ao Tigre. “Quando as coisas correm bem num clube, como está sendo aqui, no Tigre, fica mais fácil. A torcida do Tigre teve paciência comigo, precisei operar (o joelho) e fiquei meses fora. Tenho sim um carinho muito grande pelo clube e pela torcida. Foi um clube importante pra mim, me fez ressurgir no futebol. Sou muito agradecido”, declarou.
O Tigre, de Montillo, é o 12º colocado na Superliga, com 32 pontos, e tem chances de se classificar para a Copa Sul-Americana. Mas, ironicamente, o clube corre risco de queda à segunda divisão por campanhas ruins nos três anos anteriores. Na Argentina, o descenso é definido pela média de pontos nas quatro últimas edições.
A duas rodadas do fim da Superliga, o Tigre disputa uma vaga na elite com três clubes: Belgrano, San Martín de San Juan e Patronato. Apenas um deles escapará da queda.
A esperança de Montillo na permanência se deve à reação recente do Tigre, que coincide com a chegada do técnico Néstor Gorosito. Nos últimos cinco jogos, o time conquistou quatro vitórias e um empate.
Pedreiras no caminho
Nas duas rodadas finais, o Tigre terá os seus maiores desafios. No dia 30, receberá o líder Racing em Victoria. Os visitantes poderão se sagrar campeões com um triunfo. Já na última rodada, em 6 de abril, o time de Montillo visitará no Monumental de Núñez o River Plate, candidato a uma vaga na Copa Libertadores 2020.
“Vamos trabalhar muito para conquistar os resultados que precisamos. Temos que tentar salvar o Tigre. Depois, sim, estaremos mais tranquilos para tomar a decisão sobre o futuro”, disse Montillo aos seus seguidores no Instagram.
A SITUAÇÃO DO TIGRE NA SUPERLIGA ARGENTINA:
É o 12º colocado, com 32 pontos, e concorre a uma vaga na Copa Sul-Americana.
Já na soma dos últimos quatro anos, o time de Montillo é o penúltimo colocado entre os 26 participantes da Superliga, com 87 pontos, à frente apenas do já rebaixado San Martín de Tucumán. Os principais concorrentes pela permanência na elite são Patronato (90), Belgrano (87) e San Martín de San Juan (87). Apenas um deles se salvará.
Se tiver pontuação na Superliga para ir à Sul-Americana, mas for rebaixado na média das últimas quatro edições, o Tigre perderá sua vaga no torneio continental.
OS NÚMEROS DE MONTILLO NA SUPERLIGA ARGENTINA:
18 jogos realizados, dos 23 disputados pelo Tigre
4 gols
No Tigre, Montillo é o terceiro artilheiro, atrás de Federico González (11 gols) e Lucas Menossi (5 gols).
9 assistências
O meia é o líder de assistências do campeonato.
Fonte: Superesportes