Nicolás Lodeiro é jogador de seleção, e defendeu o Uruguai na Copa do Mundo. Foi pensando nisso que, antes do Mundial, o Corinthians investiu cerca de R$ 4,5 milhões para tirar o meia do Botafogo. Em 2014, o negócio não rendeu frutos: o uruguaio quase não jogo e só deve ter oportunidade de se firmar em 2015.

Com a camisa alvinegra, Lodeiro esteve em campo oito vezes – nunca uma partida inteira. No total, foram 329 minutos – pouco menos do que quatro partidas. Isso significa que, para cada 90 minutos que teve o meia em campo, o clube gastou R$ 1,2 milhões – sem contar os salários.

Em agosto, o uruguaio jogou quatro partidas como titular; mais uma em setembro. Houve uma lesão, algumas convocações para a seleção uruguaia e perda de prestígio com Mano Menezes, que passou a coloca-lo esporadicamente no segundo tempo. Nesta sexta-feira, o treinador deu a entender que Lodeiro deve ter que esperar até 2015 para encontrar seu espaço no Parque São Jorge.

“Futebol é assim mesmo. O Lodeiro chegou, treinou muito bem, a estreia atrasou um pouco. Os primeiros jogos não foram tão bons, e as oportunidades passaram a ser dadas para outros. Em um momento decisivo como o que estamos, não dá para recuperar um jogador, o processo atrasa e  acaba ficando para a próxima temporada”, disse.

Se Mano seguir esse plano, o responsável por fazer com que Lodeiro renda frutos ao Corinthians pode ser outro: com as eleições presidenciais do clube no fim da temporada, o comandante tem poucas chances de permanecer: tanto a situação, de Roberto de Andrade, como a oposição, de Paulo Garcia, tem predileção por outros nomes para o cargo.

A vinda do uruguaio também envolvia o pagamento dos salários de Emerson Sheik, emprestado ao Botafogo: isso seria incluído nestes R$ 4,5 milhões. O atacante ganha cerca de R$ 520 mil mensais, e chegou como esperança no clube carioca.

Emerson, entretanto, se tornou um dos líderes do elenco botafoguense em uma queda de braço com a diretoria, que atrasou salários de diversos jogadores, e acabou dispensado no começo de outubro. Sem estar jogando, continua tendo seus vencimentos pagos pelo Corinthians – agora, não mais abatidos do preço de Lodeiro.

Apesar de, até agora, ter custado caro ao alvinegro, com pouco retorno, o uruguaio ainda é jovem – tem 25 anos. Não falta tempo para que se torne uma peça importante na equipe, e, talvez, até renda uma transferência lucrativa para o futebol europeu. Por enquanto, porém, no final de 2014, o balanço do negócio é negativo.

Fonte: UOL