Quando o goleiro Caio, do Athletico, se atrapalhou na saída do gol e viu Luiz Fernando cabecear para o fundo da rede, o atacante do Botafogo encerrou um incômodo jejum de nove jogos de seca e exatos 673 minutos sem marcar.

A última vez que o atacante havia festejado fora na goleada por 4 a 0 sobre o Sol de América (PAR), pela Sul-Americana, no longínquo dia 29 de maio deste ano. Ontem, ajudou a equipe na vitória de virada por 2 a 1 sobre os paranaenses.

Neste período, os atacantes alvinegros passaram em branco, algo que já era alvo de cobranças da torcida. Nesta sequência, o time foi “salvo” por Diego Souza, Cícero, Alex Santana e Marcelo Benevenuto. Apesar de já ter atuado mais avançado, Diego não é um homem de frente de ofício.

O técnico Eduardo Barroca não analisou individualmente a atuação do jogador, mas fez questão de destacar a força coletiva do Alvinegro, que demonstrou muita força para virar.

“O resultado foi justo pelo que produzimos na somatória dos tempos, pela capacidade do grupo de reverter uma situação adversa. Era uma equipe que tinha a mesma pontuação. Fico satisfeito com a dedicação deles. Foram na raça, no coração. É um grupo muito sério e dedicado. É a característica deles”, analisou.

O triunfo dá um novo alento e um pouco de fôlego para o Bota, que tem a semana livre de treinos para se preparar. O time encara no próximo sábado o Corinthians, na arena do rival, às 17h.

“Conheço muito bem o Corinthians, afinal de contas eu vim de lá. Vamos enfrentar uma equipe muito boa, muito bem treinado. Aproveito para agradecer já ao Carille, amigo de longa data. Sempre foi muito aberto ao trabalho dele”, ressaltou.

Fonte: UOL