A temporada oficial começou mal para o Botafogo. Além do resultado negativo diante do Volta Redonda, a equipe repleta de reservas e jogadores formados na base comandada por Bruno Lazaroni foi dominada pelo Volta Redonda e não criou nenhuma chance real de gol no Estádio Raulino de Oliveira, na estreia do Campeonato Carioca. Mesmo com o cenário limitado, o Alvinegro teve alguns jogadores que se saíram relativamente – diante das circunstâncias apresentadas, vale ressaltar – bem.

Em campo, o treinador colocou a equipe em 4-1-4-1, formação que o próprio Alberto Valentim utilizou na prática na maior parte dos dias da pré-temporada. Na prática, uma equipe que tinha, com a bola dominada na fase de criação, um volante recuando para ficar entre os zagueiros e os laterais avançando. No primeiro tempo, Caio Alexandre, estreando entre os profissionais, foi o meio-campista responsável por se juntar aos defensores.

O camisa 5 teve a função de distribuir o jogo do Botafogo da defesa ao meio-campo e o fez com bom aproveitamento, o problema foi que a equipe não conseguiu levar as jogadas até as zonas perigosas do campo. No segundo tempo, contudo, Caio Alexandre sentiu a parte física, foi deslocado para segundo volante e, sendo dominado neste quesito pelo meio-campo do Volta Redonda, foi substituído. Fica, porém, a interessante atuação organizando o jogo, mas o alerta pela estâmina.

O Volta Redonda poderia ter construído uma vantagem ainda maior. Uma bola na trave, pelo menos duas grandes chances criadas… Era possível que o placar fosse pior ao Botafogo caso Kanu não tivesse sido o outro jogador criado em General Severiano a se ‘salvar’ na derrota.Um dos jogadores mais experientes de linha na parte defensiva, o zagueiro foi importante no alto e levou a melhor em grande parte dos duelos individuais contra João Carlos, centroavante do Volta Redonda – no gol do Voltaço, o jovem até tentou, mas nada pôde fazer. Mesmo com o resultado negativo, o defensor, atuando pelo lado esquerdo, mostrou personalidade..

Além dos meninos, um jogador que saiu do Raulino de Oliveira com uma boa atuação nas costas foi Diego Cavalieri. O jogador mais experiente deste elenco do Campeonato Carioca fez, ao menos, duas defesas importantes e salvou a pele do Botafogo em muitas ocasiões. Além da experiência, o jogador de 37 anos foi fundamental também dentro de campo.

– O Cavalieri não é de falar muito, mas as ações dele falam por si só. A maneira como ele treina, a conduta profissional dele, acaba sendo um exemplo para os outros. Ele não precisa nem falar para dizer que está presente, que está junto com os atletas e passar uma boa impressão para eles. Então acaba sendo uma referência para os demais – afirmou Bruno Lazaroni, após a partida.

Por outro lado, outros jogadores que fizeram bons treinamentos no hotel-fazenda China Park, em Domingos Martins, na região serrana do Espírito Santo, local da pré-temporada do Botafogo, não tiveram atuações destacáveis. Este foi o caso de Fernandes, atuando improvisado na lateral-direito, que sofreu com as bolas nas costas, e Igor Cássio, que jogou de ponta-esquerda, também fora de posição – originalmente, é centroavante.

Fonte: Terra