Keisuke Honda ainda não entrou em campo, mas já está na cabeça de praticamente todos os torcedores do Botafogo. Desde o anúncio do meio-campista, passou a ser comum ver faixas e bandeiras do Japão com os torcedores do Alvinegro em dias de jogos. A ansiedade pela estreia do atleta de 33 anos é grande.

O camisa 4 não jogou contra o Paraná, na última terça-feira, pela Copa do Brasil, por conta de uma virose. Por não se sentir 100% preparado, optou por não entrar em campo. A estreia foi adiada, mas a empolgação do torcedor do Botafogo continua em alta.

Os produtos são um exemplo do impacto que Keisuke Honda teve. O Botafogo produziu, junto com a Kappa, camisas especiais, com o nome do japonês, o número 4 e a bandeira do Japão nas costas, a R$ 299,90. O primeiro lote esgotou em menos de três dias. Os uniformes foram repostos há cerca de duas semanas, mas também estão perto de acabar: só restam o tamanho P e o G nos modelos tradicional e branco.

A única forma, no momento, para adquirir tais produtos é no mercado alternativo. Vendedores ambulantes aproveitam a onda de Keisuke Honda e a falta de camisas nas lojas do Botafogo. Por isto, modelos não-originais sempre estão à venda no entorno do Estádio Nilton Santos antes de partidas. Os preços variam de R$ 20 e R$ 50.

Qualquer produto que tenha relação com o jogador de 33 anos faz sucesso na torcida do Botafogo. A relação também é forte com os jovens botafoguenses: é comum encontrar crianças com faixas da bandeira do Japão correndo pelo Nilton Santos. A “mania Honda” é real, mesmo que o meio-campista ainda nem tenha jogado oficialmente.

Copos, camisas, faixas, bandeiras, cartazes… Honda fez a torcida do Botafogo se agitar. A partida contra o Bangu, no próximo domingo, às 16h, pela terceira rodada da Taça Rio, no Estádio Nilton Santos, deve ter um bom público. A tendência é que o japonês estreie neste duelo.

Para a partida, o Botafogo pretende comercializar produtos exclusivos que tenham relação com Keisuke Honda. Assim como ocorreu em sua apresentação, copos ecológicos com o rosto do jogador serão colocados à venda. Além disto, o departamento de marketing do Alvinegro trabalha com a possibilidade de produzir uma linha de produtos casuais do japonês no futuro.

O programa de sócio-torcedor do Botafogo também foi “alvo” da empolgação por Keisuke Honda. Quando o japonês foi contratado, o clube tinha 21 mil sócios-torcedores. Agora, são mais de 32 mil. Um crescimento exponencial – que também, vale ressaltar, foi influenciado pelas negociações com Yaya Touré.

O Botafogo se adapta a Honda e ao possível impacto que o japonês pode trazer. Desde a apresentação do meia, todas as placas no Estádio Nilton Santos têm tradução para a língua japonesa. O clube espera receber visitas de nipônicos na alta temporada e se planeja para colocar um tradutor no guia da arena.

Honda foi um ponto fora da curva para a torcida do Botafogo. Seja em dias de jogos ou nas redes sociais, os botafoguenses traduzem a expectativa pela estreia do japonês no número de associações e nas compras de produtos. Até aqui, o retorno do meio-campista fora de campo é positivo.

Fonte: Terra