Se o Botafogo acumulou prejuízos de R$ 17,2 milhões e R$ 20,8 milhões em 2018 e 2019, respectivamente, em seus balanços oficiais, a perspectiva é que o ano de 2020 seja ainda pior. Segundo Carlos Augusto Montenegro, membro do Comitê Executivo de Futebol do clube, a expectativa é de um déficit de cerca de R$ 60 milhões, motivado pela crise gerada pela pandemia do novo coronavírus.

Máscaras do FogãoNET para torcedores do FogãoNET durante a quarentena da pandemia do novo coronavírus (COVID-19)

E a questão principal nem é a falta de receitas provocada pela paralisação do futebol brasileiro em si. Segundo Montenegro, esse valor de R$ 60 milhões se justifica por se tratar da verba esperada com a venda de jogadores – na sua avaliação, o mercado internacional vai se retrair.

Já posso adiantar que vai ter um rombo de R$ 60 milhões, porque tem uns R$ 60 milhões previstos de venda de jogadores e com a pandemia as janelas acabaram, não sei se o futebol vai voltar, se a Europa vai seguir comprando jogadores, não acredito. A Itália está contando os mortos, não sei se há motivação para compra de jogadores. Caso aconteça alguma venda, será no finalzinho do ano – afirmou Montenegro em entrevista ao Canal do TF na última semana.

Receita do Botafogo está comprometida

O dirigente tem afirmado que a crise financeira provocada pela pandemia não chega a ser um fator preocupante no Botafogo, por já estar habituado com a falta de recursos. Mas com o calendário parado, menos verba de bilheteria e com cortes nas cotas de TV, a tendência é bem desfavorável.

Loja do FogãoNET por Estilo Piti | O Site oficial do torcedor do Botafogo

– Além dessa questão (da venda de jogadores), vem o dinheiro da Globo variável, a não-participação na Copa Sul-Americana, alguns torneios podem ser cancelados… Nosso balanço em termos de receita está totalmente furado. Nosso buraco será maior. Estamos tentando cortar despesas para diminuir esse buraco – explicou.

Nesta segunda-feira, o Botafogo anunciou um corte no quadro de funcionários por conta da crise. Em relação ao futebol, num primeiro momento, a diretoria alvinegra comunicou que não pretende mexer nos salários dos atletas. Apesar do movimento do Governo Federal e da própria Federação de Futebol do Rio, ainda não há um prazo para que os torneios retornem.

Fonte: Redação FogãoNET e Canal do TF