Insatisfeito com as seguidas lesões no Botafogo, o meia Montillo decidiu rescindir o seu contrato com o time carioca na última quinta-feira e decidiu se aposentar. Apesar de ainda não ter decidido qual será o seu futuro profissional, o argentino deixou no ar a possibilidade de trabalhar como treinador. Em entrevista ao “Seleção SporTV”, ele disse que voltará a morar em seu país e que irá se matricular em um curso preparatório, que tem duração de três anos.

Montillo voltou a dizer que ainda não esperava pela aposentadoria, mas destacou que se mostrou tranquilo pela decisão, já que não se via mais em condições de jogar e se dedicar ao futebol da forma como gosta. O argentino disse que sempre se cobrou muito pelo desempenho em campo.

– Eu sempre pensava na frente, com 34 ou 35. Sei lá. Até onde o corpo aguentaria. Eu não esperava para agora. Eu tenho pensado muitas coisas daqui para frente. Vou estudar algumas coisas que eu quero fazer. O curso de treinador é uma coisa que eu quero fazer lá na Argentina. Não sei se eu vou ser treinador (…). Agora o curso dura três anos na Argentina. Eu quero começar no ano que vem. Eu vou morar lá. Mas eu não sei se vou ser treinador. Eu quero me preparar para diferentes coisas (…). É difícil. Foi uma decisão prematura, eu não queria acabar assim. Mas eu acho que, para mim, foi o momento certo. Eu não estava conseguindo fazer do jeito que eu quero as coisas e eu me cobro muito. Em toda a minha vida eu me cobrei. Para fazer uma coisa do jeito que não gosto, eu prefiro parar e dar o lugar para outro.

O ex-jogador do Botafogo garantiu que não se espelha em nenhum treinador para iniciar uma nova profissão, mas elogiou o compatriota Manuel Pellegrini, que já passou por clubes como Real Madrid e Manchester City. Sem garantir que trabalhará como técnico após o curso na Argentina, ele disse quais características chamavam a sua atenção.

– Eu não tenho referência como treinador. Eu sempre vi um ídolo como jogador. Nunca pensei lá na frente. Por exemplo, eu trabalhei com treinadores muito bons e muito sérios na hora de trabalhar. Eu sempre vou lembrar do Manuel Pellegrini (…). Quando você é novo, você não percebe coisas que o treinador está fazendo. Mas agora que eu fiquei mais velho, com mais experiências, você começa a ver algumas coisas dos treinadores que você vai gostando. Uma preleção de uma hora e meia, eu sei que os jogadores não vão gostar. Você precisa ser simples, rápido e saber o que está passando para os jogadores. Eu gosto de treinadores que falam as coisas na cara (…). Mas primeiro eu vou estudar, vai passar um tempo. Vou esfriar um pouco a cabeça agora. Mas eu quero me preparar. Tem muita coisa pela frente.

Em 15 anos de carreira, Montillo levantou cinco taças: Copa Sul-Americana (San Lorenzo, 2002), Torneio Apertura (Universidad de Chile, 2009), Campeonato Mineiro (Cruzeiro, 2011), Copa da China e Supercopa da China (Shandong Luneng, 2014 e 2015).  No Brasil, ele atuou por Botafogo, e teve passagens marcantes por Santos e, principalmente, Cruzeiro. Também passou por Shangong Luneng (China), Universidad de Chile (Chile), Morelia (México) e San Lorenzo (Argentina), time onde começou em 2002. Ao todo, entrou em campo 503 vezes, marcou 88 gols e deu 116 assistências, sua especialidade.

Fonte: SporTV.com