A sequência de más atuações de Rodrigo Pimpão se estendeu por mais um jogo. Domingo, no empate contra o Atlético-MG, ele foi apagado e fez uma única boa jogada: o passe, no final, para Guilherme, que quase fez o gol da vitória.

Contra o Galo, Pimpão atuou numa função diferente — começou saindo da ponta esquerda e atuando como segundo atacante. Nessa posição, ele fica menos obrigado a voltar para marcar e, em tese, mais livre para atacar. Domingo, no entanto, isso não aconteceu. Para uma análise mais completa sobre seu desempenho na nova função, entretanto, é necessário que o jogador tenha mais minutos atuando por ali. Sábado, contra o Fluminense, Jair Ventura pode manter a formação.

O tempo de bonança do atacante parece ter se encerrado junto com a participação do Botafogo na Libertadores — talvez até um pouco antes. Foi na Liberta que ele marcou seu último gol, há mais de dois meses, dia 10 de agosto, na partida de volta contra o Nacional, do Uruguai, pelas oitavas de final. A última ótima partida de Pimpão foi contra o Bahia, também em agosto, na qual ele deu duas assistências — esse, aliás, é o fundamento em que o atacante ainda mantém bons números. É o maior garçom alvinegro no ano, com 11 passes para gol.

Fonte: Extra Online