A pouco mais de uma semana para o jogo contra o Juventude pela ida da terceira fase da Copa do Brasil, o técnico Zé Ricardo viu que Leo Valencia subiu um degrau para retornar de lesão e voltar a ser relacionado. O chileno iniciou o processo de transição – da fisioterapia para o gramado – e corre para estar à disposição no próximo jogo.

Neste mês, Valencia só entrou em campo uma única vez, contra o Volta Redonda (dia 2), justamente o único jogo no qual o gringo esteve em campo (e jogou os 90 minutos). E a pouca presença tem sido uma tônica na temporada.

Ainda no período de pré-temporada, Valencia tardou a se reapresentar pois perdeu um parente, no Chile. Logo depois, já no Rio, passou pelo primeiro contratempo físico: levou uma pancada na panturrilha esquerda.

Desde janeiro, Valencia só realizou quatro partidas, sendo que a primeira, contra o Defensa y Justicia (dia 20 de fevereiro), entrou restando apenas 12 minutos para o apito final. O chileno ainda não teve uma sequência para voltar a apresentar o bom futebol da reta final de 2018, cuja temporada foi encerrada com 11 assistências e cinco gols do meia ex-Palestino, em 49 partidas, o que o fez voltar a ser desejado por clubes do Chile – como a Universidad de Chile.

POR FALAR EM CLUBES CHILENOS…

Em entrevista recente à emissora chilena CDF, Leo esteve perto de retornar à La U, aliás. Além disso, ele externou que o negócio pode vir a ocorrer em breve.

O Botafogo, contudo, já mostrou estar disposto a fazer jogo duro e a liberá-lo somente pela multa rescisória, que é de 3 milhões de dólares (R$ 11,3 milhões).

Fonte: Terra