Usamos cookies para anúncios e para melhorar sua experiência. Ao continuar no site você concorda com a Política de Privacidade.

Jogos

Carioca

25/04/21 às 18:00 - Nilton Santos

Escudo Botafogo
BOT

X

Escudo Macaé
MAC

Carioca

17/04/21 às 16:00 - Maracanã

Escudo Fluminense
FLU

1

X

0

Escudo Botafogo
BOT

Copa do Brasil

14/04/21 às 21:30 - Frasqueirão

Escudo ABC
ABC

1

X

1

Escudo Botafogo
BOT

No recomeço após a Copa do Mundo, a vez de Jefferson na seleção brasileira

0 comentários

Compartilhe

Maior ídolo do Botafogo hoje, considerado senão o melhor, mas certamente um dos três melhores goleiros do país, Jéfferson é um dos mais empolgados com o início de mais um ciclo na seleção brasileira. Remanescente do fiasco da Copa do Mundo, o jogador, de 31 anos, acredita que finalmente chegou a sua vez.

Dono de uma regularidade impressionante, Jéfferson quer começar a mostrar, já na partida contra a Colômbia, sexta-feira, em Miami, que pode, sim, ser o goleiro do Brasil na Copa de 2018, na Rússia, mesmo sabendo que terá 35 anos no Mundial.

— Não me considero dono da posição e nem poderia pensar assim, já que o trabalho está apenas começando. É uma nova filosofia, um novo momento, um novo treinador. Mas estou em um grande momento no Botafogo e pronto para ser titular da seleção — afirmou ontem o goleiro, ao chegar a Miami, um dia depois de ajudar seu time a derrotar o Santos por 1 a 0, no Maracanã.

Jéfferson é um dos dez jogadores que disputaram a Copa e que foram chamados por Dunga para o início da caminhada, que tem como objetivo final a Copa de 2018. Acredita que quem souber aproveitar o que aconteceu no Mundial para crescer profissionalmente, dentro e fora do campo, terá vida longa na seleção. Afinal, insiste, apesar do vexame, ninguém desaprendeu a jogar futebol.

— Não se pode fazer terra arrasada. Tem muita gente qualificada que esteve na Copa e pode ajudar o futebol brasileiro

Ser convocado logo no primeiro jogo após o Mundial era tudo que Jéfferson desejava. Tem mantido um alto nível no Botafogo, apesar de todos os problemas que o clube vem enfrentando, e é exatamente o desempenho debaixo das traves o seu trunfo para ser, enfim, o número um do Brasil.

— Desta vez, chego mais leve e bem mais confiante — garante o goleiro, que tem nove atuações pela seleção principal e foi titular na conquista do Mundial sub-20, em 2003, nos Emirados Árabes.

Além de Jéfferson, foram chamados por Dunga os seguintes jogadores que disputaram a Copa: David Luiz, Maicon, Marcelo, Luiz Gustavo, Willian, Neymar, Oscar, Ramires e e Fernandinho. Deles, o único que ainda não está em Miami é o volante Fernandinho, do Manchester City. O jogador estava sem visto para entrar nos Estados Unidos e só deve chegar amanhã. Evidentemente, Neymar é a estrela. O craque do Barcelona vai fazer, diante da Colômbia, sexta-feira, às 22h (de Brasília), sua primeira partida pela seleção depois sofrer uma fratura na região lombar, exatamente contra os colombianos, contusão que o tirou dos dois últimos jogos do Mundial.

Comentários