Chegou a hora do reencontro entre time e torcida no Estádio Nilton Santos. Na última partida vitória por 2 a 0 sobre o Atlético Paranaense antes da pausa para a Copa do Mundo. Em entrevista coletiva o treinador Marcos Paquetá projetou a próxima partida e reforçou a confiança na reabilitação dentro da competição com o apoio dos botafoguenses. Hora de ajustar e enfrentar a Chapecoense, quinta-feira, às 19h30 com concentração máxima.

– Dentro de casa a obrigação é nossa e precisamos ter inteligência contra a Chapecoense. Um jogo difícil, precisamos saber aproveitar as deficiências deles também por se lançarem muito ao ataque. Tive ansiedade quando estive na guerra na Líbia. Aqui vamos estar ao lado do nosso torcedor, que estará ao nosso lado. Esperamos que eles venham e possam nos apoiar – disse Paquetá.

CONFIRA OS PRINCIPAIS TRECHOS DA ENTREVISTA COLETIVA DE MARCOS PAQUETÁ:

TRABALHO DE FINALIZAÇÃO

– São dois aspectos diferentes, mas o que prevalece é o resultado. O futebol é assim. Estamos procurando evoluir em alguns aspectos, a equipe finalizava pouco e tem evoluído graças ao trabalho dos jogadores. Claro que pensava em trabalhar isso mais tranquilamente, mas tivemos que antecipar algumas coisas por conta dos resultados adversos. As circunstâncias nos levaram a isso. Em dois jogos nós tivemos que buscar o resultado, um desgaste muito grande.

PARA BLOQUEAR O ADVERSÁRIO

– Tivemos problemas ao longo desse período. Jogadores contundidos, com problema dentário. Estamos trabalhando jogo a jogo e esse é de característica diferente. Temos que nos preparar para todas as situações e vamos tentar bloquear os pontos fortes deles.

É PRECISO APRIMORAR

– Essa é uma estatística de todos os jogos, mas nos últimos jogos finalizamos melhor. Estamos fazendo trabalhos para isso, buscando sempre a finalização vindo do fundo, de frente, buscando as tabelas…

CONCENTRAÇÃO MÁXIMA

– Temos que ser bem realistas. Os gols saíram de situações diferentes. Contra o Corinthians houve um momento de sorte deles e uma finalização muito bem executada do Rodriguinho. contra o Flamengo foi muito cedo. Precisamos melhorar essa nossa concentração e também valorizar o equilíbrio e personalidade da equipe para correr atrás do resultado mesmo com dificuldade. Que esses nossos bons números se reflitam em mais efetividade. A bola tem que entrar. Não temos que nos vitimizar com isso e sim trabalhar.

JEFFERSON

– Ontem estive com o Jefferson e aparentemente esta ótimo. Já está falando um pouco mais. Nossos médicos estão sempre o acompanhando e ele está bem confiante em sua recuperação.

JOVENS SAULO E DIEGO

– Temos confiança nos dois atletas, são promissores. O Botafogo tem que trabalhar com suas pratas da casa e fazer isso com tranquilidade. Que o Saulo possa fazer um bom jogo.

PRESERVAR ALGUNS JOGADORES

– Temos feito isso. Já trocamos os dois extremos, assim como lateral-esquerdo. Vamos fazendo isso de acordo com os resultados da fisiologia e o que os próprios jogadores nos passam.

BAIXAS NA EQUIPE

– O Marcos Vinicius vinha de uma melhora acentuada, mas acabou tendo um outro problema em outra musculatura por conta do seu empenho em voltar. O Brenner a gente esperava que voltasse durante essa semana, mas ainda sente um incômodo e como teremos mais jogos importantes pela frente preferimos contar com ele totalmente recuperado para que possamos utilizá-lo sem problemas posteriores.

A TÁTICA DIANTE DA CHAPE

– Fizemos algumas observações projetando os jogos que teríamos. Vamos começar de uma forma, principalmente nos dez primeiros minutos, e depois vamos repensar dentro do jogo.

TRABALHO ADAPTADO

– O pouco tempo de adaptação do meu trabalho com a equipe ainda não gera essa possibilidade, mas penso em mudar a forma de jogo com os mesmos atletas. No momento temos que adaptar o modo de trabalho.

Fonte: Site oficial do Botafogo