O Botafogo contou com uma novidade na escalação no primeiro compromisso após a disputa da Copa América. Eduardo Barroca promoveu o retorno de Marcinho no empate sem gols diante do Cruzeiro, no último domingo, pelo Campeonato Brasileiro. A sólida atuação do atleta colocou, ainda mais, a ‘disputa’ pela vaga na lateral-direita com Fernando em aberto.

Marcinho iniciou o ano como titular, mas perdeu a vaga no decorrer da temporada para Fernando, que retornou de um empréstimo do Lille-FRA em março. O primeiro participou das três primeiras partidas do Campeonato Brasileiro, mas foi sacado por conta das dificuldades defensivas, fator que o outro atleta conseguiu se sobressair.

O período de treinos por conta da Copa América, porém, foi marcado por uma evolução para Marcinho, que trabalhou justamente nos quesitos defensivos. Não à toa, o lateral teve três interceptações, um corte, bloqueou uma finalização e não levou nenhum drible diante do Cruzeiro, no setor que foi ocupado prioritariamente por David, Egídio e, posteriormente, Sassá.

Na parte ofensiva, Marcinho foi o quinto jogador do Botafogo com mais passes na partida, participando das construções das jogadas e nas triangulações na primeira metade do gramado, fatores exigidos por Eduardo Barroca. Além disso, o lateral teve um aproveitamento de 93% no quesito: dos 61 toques que deu, acertou 60.

Apesar de ter sido substituído aos 40 minutos do segundo tempo, a primeira partida de Marcinho como titular do Botafogo desde a vitória de 3 a 2 sobre o Bahia, na segunda rodada do Campeonato Brasileiro, foi marcada pela solidez. Assim como toda a equipe do Botafogo no duelo, o lateral teve dificuldade para avançar no campo de ataque, mas não deu espaços para o Cruzeiro na defesa.

Desta forma, a disputa na lateral-direita do Botafogo está aberta, assim como o próprio Eduardo Barroca afirmou, em entrevista coletiva na última sexta-feira. O treinador, inclusive, afirmou que Marcinho e Fernando, ambos desenvolvidos na base do Alvinegro, possuem potencial para defender a Seleção Brasileira no futuro. Com qualidades distintas – um se destaca no ataque e outro na defesa -, o treinador possui uma ‘dor de cabeça’ na posição.

Fonte: Terra