Há 20 anos sem um título nacional, a conquista da Série B surge no horizonte do Botafogo. Sábado, às 17h30, contra o Santa Cruz, no Nílton Santos, três pontos — mais um tropeço do América-MG — garantirão a taça ao Glorioso. A eventual conquista, porém, é vista de forma semelhante por nomes marcantes da história recente do clube e, também, pelo técnico Ricardo Gomes: caso se confirme, será comemorada como um bom indício para 2016, mas sem diminuir a cobrança por títulos de grande relevância.

Tanto para o treinador quanto para os ex-jogadores Sandro e Túlio Guerreiro, que passaram pelo clube no primeiro rebaixamento, em 2003, a conquista não vai apagar a incômoda seca. Ela, ao menos, mostrará a recuperação do Botafogo após o descenso, e sua superioridade perante os rivais temporários de divisão.

— Se fosse um título importante, todo mundo gostaria de jogar a Série B — disse o ex-zagueiro Sandro. — O Botafogo tem que disputar taça de primeira divisão. Aquilo é título importante. Vale comemorar pelo sacrifício feito durante o ano.

Para o ex-volante Túlio, a mensagem deixada pelo Botafogo com o provável título é de esperança.

— Entrar para a história o título não vai. Mas o clube entra em 2016 com um pouco de moral. É muito melhor voltar dessa forma do que penar até o fim na Série B.

Mas, como título é título, a pressão interna e da torcida existe. Tanto é que o técnico Ricardo Gomes insiste em ressaltar o foco dos jogadores em vencer o Santa Cruz.

— Sempre há pressão por bons resultados. No Botafogo é isso. Mas a carência por bons resultados só vai acabar com um título da Série A. Temos que comemorar, mas esse jejum só termina com um título maior que a Série B — justificou Ricardo.

Para o torcedor alvinegro, a partida vale para mostrar o alívio de voltar à elite, com quase 18 mil ingressos comprados antecipadamente. O título até será comemorado, mas com moderação.

Fonte: Extra Online