Pimpão: ‘Tenho carinho especial pelo Paraná, mas farei tudo pelo Botafogo hoje’

Compartilhe:

Um filme passará na cabeça de Rodrigo Pimpão quando ele entrar em campo para encarar o Paraná, hoje, às 21h50, no Durival Britto. Revelado pelo tricolor paranaense, o atacante se sentirá em casa, mas com o objetivo de levar o visitante Botafogo a mais uma vitória na Série B do Brasileiro, que pode deixá-lo na liderança isolada, caso Bahia e Náutico tropecem.

Ao todo, foram quatro anos defendendo o clube de Curitiba, sendo o primeiro deles no futsal. Pimpão se dividia, na época, entre a faculdade de odontologia e as quadras, até ter a convicção de que faria carreira no futebol.

As lembranças nunca serão apagadas, porém, o camisa 11 alvinegro sabe que, na profissão que escolheu, o presente precisa prevalecer sobre o passado.

“O Paraná foi o clube que me revelou, onde tudo começou. Ele abriu as portas para eu poder mostrar o meu futebol e tenho um carinho muito especial. Mas hoje defendo o Botafogo e farei de tudo para ajudar meu time a sair com a vitória, que será muito importante para a nossa caminhada”, disse o atacante ao O DIA.

A intimidade com o estádio Durival Britto será canalizada para se tornar inspiração a favor do Botafogo. Rodrigo Pimpão espera tirar proveito dos atalhos que conhece do gramado irregular.

“É um estádio que tenho lembranças boas e ruins. E são as boas que vou puxar na memória para que aconteçam coisas melhores ainda”, afirmou.

Invicto na Série B do Brasileiro, o Botafogo alcançará a liderança isolada da competição se sair vitorioso no duelo na capital paranaense e Bahia e Náutico não vencerem seus jogos

Três reservas de René Simões terão papel importante na partida de hoje. Sem poder contar com Jefferson, Carleto e Daniel Carvalho, o treinador mandará Renan, Pedro Rosa e Diego Jardel a campo.

Sem medo do frio de Curitiba

A previsão de 11° em Curitiba para o horário da partida não assusta os jogadores alvinegros. Todos foram avisados previamente das condições climáticas que encontrariam e viajaram para a capital paranaense preparados para encarar, além do adversário, o frio.

“O jogo será tarde e a temperatura será bem diferente da que estamos acostumados. Vamos ter de nos adaptar. É o ano de se superar e trabalhar como um time de operários”, disse Giaretta.



Fonte: O Dia Online
Comentários