O excesso de exigências impediu que a Arena da Ilha estivesse apta a tempo para receber o jogo entre Flamengo e Botafogo, mas o palco do clássico, que tem todos os laudos em dia, recebe jogos desde 2013 com problemas estruturais. O estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, permanece com situações apontadas em um relatório de 2013 como urgentes para a realização de jogos, entre elas rachaduras e afundamento de piso, como descrito em relatório obtido pela reportagem.

A Prefeitura de Volta Redonda, que naquele ano contratou outra empresa de engenharia para refazer a avaliação e ter a aprovação e laudos, mudou, e a administração atual admitiu que há melhorias pendentes que serão feitas para a obtenção dos novos laudos a partir do ano que vem. O estádio é palco de jogos desde 2013. No relatório, assinado pelos engenheiros Luis Carlos da Silva Ávila e Marcos Vinicius De Almeida, foram apontados quatro anomalias com grau de risco “crítico” e necessidade de intervenções “imediatas”.

De acordo com a assessoria do prefeito Samuca Silva, o ítem que diz respeito a um vazamento em uma academia do estádio não interfere no jogo. O seguinte, que trata de uma trinca no túnel central, teria sido resolvido em convênio com o Ministério do Esporte. O afundamento do piso no “corredor B” e rachaduras na laje de acesso as arquibancadas estariam dentro do prazo para resolver, mas pendentes. A Prefeitura não informou o prazo.

Felipe Moura de Araújo, administrador do estádio, lembrou que mesmo com o laudo atualizado até o fim de 2017, há projetos para melhoria estrutural no estádio no ano que vem.

– Todas (as melhorias) não foram feitas, com certeza. Mas já estamos fazendo o projeto. A gente fez a vistoria com as pessoas novas. Chamamos as pessoas responsáveis para avaliação e laudo. Como o que vale é até 2017, estamos em procedimento para melhorar ano que vem – disse o representante.

O diretor de competições da Federação de Futebol do Rio, Marcelo Viana, lembrou que o estádio Raulino de Oliveira tem todos os laudos necessários desde 2013, quando o ex-prefeito Neto levou uma equipe de vistoria e contestou o laudo da Secretaria Municipal de Planejamento. Segundo ele, o local está apto para jogos e tem recebido vários confrontos pelo Estadual desde então, inclusive clássicos.

– O que se tem hoje é que o estádio foi aprovado pela comissão de vistoria, tem o laudo de engenharia no padrão do Ministério do Esporte, todos os demais laudos, está apto a abrigar jogos. Esse documento precisa saber se foi equacionado, e não é com essa Prefeitura de hoje que via conseguir isso, é com a Prefeitura passada. Mas o estádio tem todos os laudos. O Neto provou na época que o estádio tinha todas as condições. Na época íamos ficar até sem o Raulino depois que a Secretaria expediu esse documento, mas o prefeito levou uma equipe de vistoria e tudo foi aprovado. Depois disso nada mais aconteceu – lembrou Viana.

Procurado, o Corpo de bombeiros informou que seu laudo diz respeito a questões de segurança contra incêndio e pânico, apenas.

“Ao CBMERJ cabem questões relacionadas à segurança contra incêndio e pânico. Pelo que pude perceber no documento, ele trata apenas de questões estruturais que não são de responsabilidade da corporação”, alegou o órgão, via assessoria.

Fonte: Extra Online