Usamos cookies para anúncios e para melhorar sua experiência. Ao continuar no site você concorda com a Política de Privacidade.

Jogos

Carioca

25/04/21 às 00:00 - Nilton Santos

Escudo Botafogo
BOT

X

Escudo Macaé
MAC

Carioca

17/04/21 às 16:00 - Maracanã

Escudo Fluminense
FLU

1

X

0

Escudo Botafogo
BOT

Copa do Brasil

14/04/21 às 21:30 - Frasqueirão

Escudo ABC
ABC

1

X

1

Escudo Botafogo
BOT

Presidente do Conselho Fiscal compara situação com primeiro rebaixamento e decreta ‘contingência zero’ no Botafogo

31 comentários

Compartilhe

André Souza, presidente do Conselho Fiscal do Botafogo
Reprodução/YouTube

Presidente do Conselho Fiscal do Botafogo na gestão Bebeto de Freitas, que assumiu o clube logo após o primeiro rebaixamento, André Souza foi eleito novamente para o cargo na gestão Durcesio Mello, que pegou o Botafogo já virtualmente rebaixado para a Série B. Com um panorama financeiro desanimador pela frente, o dirigente comparou as duas situações.

– No finalzinho de 2002, com uma situação muito desoladora, o Bebeto (de Freitas) chegou para mim e disse que tinha uma missão com três pilares: primeiro era voltar para a Primeira Divisão, a segunda era resolver as dívidas e o terceiro era um sonho dele, que era ter um estádio, e isso conseguimos. Agora temos outros desafios, é construir um novo Botafogo, no sentido de manter toda sua história, sua tradição – afirmou Souza ao canal “FB TV”.

André Souza afirmou que o Conselho Fiscal está analisando todas as denúncias envolvendo supostos contratos mal-elaborados, elogiu os membros do colegiado alvinegro e projetou um futuro melhor para o clube.

– O Conselho Fiscal do Botafogo tem dez integrantes e todos com experiência seja de contabilidade, auditoria ou finanças, é uma composição muito profissional. O Conselho está atento a tudo e vai esclarecer todos os assuntos. Tivemos no futebol anunciada a contratação de um novo diretor de futebol que está alinhada a uma nova prática de gestão do que vinha sendo feito, as contratações e dispensas serão feitas com planejamento. Com isso, espera-se uma maior assertividade nas decisões tomadas pelo departamento de futebol – disse, reforçando que é imperativa a austeridade:

– Não podemos fazer novas contingências. Essa bola de neve tem que parar, de tal forma que essa dívida de R$ 1 bilhão seja equacionada de forma inteligente e seja paga nos próximos anos. O caminho do profissionalismo que seguiremos é o da contingência zero.

Siga o @fogaonet no Instagram e fique atualizado com as últimas notícias do Botafogo:

Fonte: Redação FogãoNET e Canal FB TV

Comentários