O Botafogo apresentou oficialmente o técnico Eduardo Barroca nesta terça-fera, no Estádio Nilton Santos. Em sua primeira entrevista coletiva, o treinador de 36 anos mostrou que sabe da pressão que enfrentará no clube. Ele falou repetidas vezes em “resultados imediatos”, prometeu coragem e bom futebol, e elogiou bastante seu antecessor, Zé Ricardo.

– A minha relação com o Botafogo é profissional, mas a experiência que vivi aqui me moldou como o treinador que sou hoje. Tenho um carinho muito grande ao clube. Queria também agradecer ao Zé Ricardo, temos uma relação estreita, familiar, tenho grande respeito pelo trabalho dele e com certeza vou dar sequência àquilo que ele deixou de bom para nós – disse o treinador, que continuou:

– Vou passar isso aos jogadores: quero pautar o trabalho na coragem, para que sejamos protagonistas, que é o que Botafogo precisa ser em tudo o que disputa. Temos uma necessidade grande de ter resultados imediatos – pontuou.

Apresentado pelo presidente do time, Nelson Mufarrej, e pelo vice de futebol, Gustavo Noronha, Barroca chega com respaldo da diretoria para implementar sua filosofia de trabalho. Mufarrej elogiou bastante o novo treinador da equipe.

– Nós adoramos ele e torcemos muito pelo sucesso do Botafogo. Tenho certeza que o Barroca fará um grande trabalho. Neste período fora do clube, ele nunca deixou de trabalhar como treinador, e muito bem, no Corinthians. Os elogios de lá são muito fortes. Isso pesou muito pela escolha dele. Só posso lhe desejar o melhor possível. O Botafogo é a casa dele, e estamos felizes com o retorno. É um profissional que sabe que aqui é o lugar dele e nós sabemos também que este é o cargo que ele merece – declarou o mandatário.

Outros tópicos da coletiva de Eduardo Barroca:

Retorno ao clube

Com muita alegria que começo agradecendo a minha oportunidade. A minha relação ao Botafogo é profissional, mas a experiência que vivi aqui me moldou como o treinador que sou hoje. Tenho um carinho muito grande ao clube. Queria também agradecer muito ao Zé Ricardo, nos cruzamos bastante na base, temos uma relação estreita, familiar, tenho grande respeito pelo trabalho dele e com certeza vou dar sequência àquilo que ele deixou de bom para nós. Esse legado vai nos ajudar muito.

Primeira experiência no profissional

Desde muito novo pautei minha carreira em tentar ser um treinador de um grande clube. Tentei pavimentar meu caminho até chegar até aqui com um processo. Trabalhei em clubes menores, fui auxiliar de grandes treinadores, comecei na base, passei pelo profissional, estive em seleções brasileiras… tentei pavimentar meu caminho para chegar preparado, e hoje me sinto extremamente preparado para dar sequência ao trabalho. O Botafogo para mim é o clube ideal para isso, pela boa relação que tenho com a direção, a sintonia que tenho com a instituição, o corpo técnico, tenho certeza que será uma ótima experiência para mim e para o clube.

Tempo para trabalhar

Na verdade são nove sessões de treino em dez dias, é um momento importante para a gente porque o Botafogo nas quatro primeiras rodadas, jogará três vezes no Rio. Nos nove primeiros jogos, também jogará seis semanas no Rio. O clube terá uma possibilidade de ter seis ou sete semanas livres de treinos. Nas três primeiras rodadas tem confrontos contra equipes envolvidas em decisões e podemos aproveitar isso de alguma maneira.

Estilo de jogo

Eu sou aqui de Del Castilho, dez minutos daqui e sempre pautei minha vida na coragem. Vou passar isso aos jogadores: quero pautar minha vida na coragem, para que sejamos protagonistas, que é o que Botafogo precisa ser em tudo o que disputa. O Botafogo tem uma necessidade grande de ter resultados imediatos. Vou pautar meu trabalho em três partes: conseguir resultados a curto prazo, segundo jogando um futebol que a torcida gosta e terceiro, diante do momento do elenco, poder junto com isso desenvolver os jovens jogadores do clube para aproveitá-los da melhor forma possível.

Atletas ‘conhecidos’ da base

Foi muito importante o que vivemos no sub 20, mas não são mais garotos. São homens. Minhas escolhas serão pautadas no que posso dar de melhor ao Botafogo. Observarei a todos com isonomia. Os jogadores que vão dar resultado pra gente são os jogadores que vou escolher. Minhas escolhas serão pautadas em critérios e coerência, independente de ser da base ou serem experientes. É um outro momento. O que importa ao Botafogo são resultados a curto prazo.

Saída em 2017 e retorno

Senti que era momento de me desafiar para crescer, eu tinha aqui uma zona de conforto, e entendi que como profissional precisava me desafiar em um outro ambiente. Sempre deixei as portas abertas aqui pela gratidão que tenho ao clube.

Atletas da base

Naquele momento que trabalhamos juntos ele era um jogador fantástico. O Bochecha foi um dos jogadores mais especiais que já trabalhei na base em relação à talento. Ainda não sei como utilizar ele agora. A vivência que tivemos será um pouco diferente agora. Só o trabalho vai me dizer onde utilizar ele.

Elenco

Ainda não conversei com os jogadores. Tenho referências externas do que imagino, mas ainda preciso da conversa e dos treinos para dar minha cara. O que o torcedor pode ter certeza é que ninguém dentro desse clube precisa mais de resultados do que eu. Vou passar isso aos jogadores. Fazer um jogo onde eles sejam valorizados, onde o Botafogo seja protagonista e assim com certeza chegaremos ao nosso objetivo primário, que é conseguir resultados a curto prazo.

Pressão da torcida

Eu entendo que a baixa expectativa é uma grande oportunidade de administrar de dentro pra fora, fazer as coisas do meu jeito para responder na prática, mobilizar os jogadores, encorajá-los e encontrar resultados. Estou aqui para entregar resultados, vencer jogos e ser protagonista no Campeonato Brasileiro, que é onde o Botafogo precisa estar sempre.

Fonte: Extra Online