Novo reforço do BotafogoBruno Nazário já esteve relativamente bem posicionado na cadeia de “consumo” do futebol europeu. Não que seja raridade um jogador se transferir para o futebol europeu aos 18 anos, mas o ingrediente peculiar na história do meia-atacante é que ele já foi tratado como um possível sucessor para Roberto Firmino, atualmente no Liverpool, na seleção brasileira e um dos principais atacantes do mundo.

Paranaense de Cascavel e hoje com 24 anos, Bruno Nazário se tornou profissional no mesmo Figueirense que revelou Firmino. A condução no início da carreira teve outras similaridades. Os direitos do jogador foram adquiridos pelo grupo Rogon, de matriz alemã e que tem sede em Florianópolis.

O destino no velho continente foi a Bundesliga, especificamente o Hoffenheim, detentor até hoje dos direitos econômicos do meia-atacante e com quem o Botafogo entrou em acordo. A transação, inclusive, estipulou que o alvinegro pode exercer o direito de compra após o empréstimo pagando 1,2 milhão de euros.

Na Alemanha, Nazário conviveu com o próprio Firmino, de quem o clube e seus empresários imaginavam replicar a trajetória. Nas redes sociais, ambos não esconderam a proximidade vivida em solo alemão.

Só que ao passo que Firmino se transferiu para o Liverpool, Nazário foi pouco utilizado no Hoffenheim – entrou nas últimas duas rodadas da Bundesliga 2013-2014, somando 17 minutos. Então, passou a emendar um empréstimo atrás do outro, na expectativa de que pudesse amadurecer.

Primeiro, o destino foi o Lechia Gdansk, da Polônia. Em 27 jogos, fez um gol numa liga pouco conhecida. Em 2016, voltou ao Brasil. Em um Cruzeiro com nomes cascudos, teve pouco espaço. Foram só cinco jogos, sendo apenas um como titular: contra o Boa Esporte, no Mineiro.

Em 2017, foi emprestado ao Guarani e conseguiu a melhor sequência da carreira. Atuou em 32 das 38 rodadas da Série B, fazendo quatro gols.

Depois de mais um semestre em Campinas, Bruno Nazário chegou em junho de 2018 ao Athletico. Naquele ano, entrou com frequência no decorrer das partidas. Até que sofreu uma lesão séria no joelho num fatídico 5 de setembro, contra o Palmeiras. A ruptura ligamentar o tirou de ação por oito meses.

Por mais que não tenha balançado as redes pelo time paranaense, Bruno Nazário se tornou uma espécie de 12º jogador do time do técnico Tiago Nunes. Engatou até uma sequência de dez jogos, muitas vezes entrando para tentar mudar a cara da partida.

No Furacão, tem um lance marcante pelo clube. E justamente em solo carioca. Foi dele o passe para Rony marcar o gol nas quartas de final diante do Flamengo. O empate por 1 a 1 levou o confronto para os pênaltis, o Athletico se classificou e seguiu vivo na campanha que culminou com título.

Se for eficiente assim contra os rivais do Rio, tem tudo para cair no gosto da torcida do Botafogo.

Fonte: O Globo Online