O Botafogo anunciou nesta quarta-feira (12) o retorno do técnico Paulo Autuori a General Severiano. Experiência e o conhecimento do clube foram fatores fundamentais para a contratação. O treinador será apresentado nesta quinta-feira, às 13h45, no Estádio Nilton Santos. Manoel Renha, integrante do Comitê Gestor de Futebol, falou como foi a negociação entre as partes até chegarem a um acerto final.

Banner da loja do FogãoNET para faixa japonesa

“A conversa foi bastante tranquila, transparente e objetiva para explicar a situação do Botafogo. Temos a expectativa para viabilizar a S/A, mas no momento o que a gente posicionou para ele foi a nossa realidade atual. A gente gostaria que ele tomasse a decisão em cima do que vai encontrar hoje. Ele traz uma bagagem muito grande em diversos clubes, internacional e conhece muito do próprio Botafogo. Decisão bem profissional e pessoal dele em função do momento do Botafogo. É uma inferência minha, acho que por uma gratidão pelo que significou o Botafogo na vida profissional dele, dar uma retribuição significativa até em função de um projeto profissional a nível nacional. Ele achou que por tudo que o Botafogo representou era hora da retribuição e nós ficamos muito gratificados por isso aí”, revelou.

O Botafogo trouxe o meio campo japonês Honda com status de principal contratação do futebol brasileiro no início de 2020. Paulo Autuori já trabalhou no Japão no Cerezo Osaka e Kashima Antlers. A experiência internacional de Autuori pode ajudar a adaptação mais rápida de Honda ao Brasil, segundo Renha.

“Nós não entramos na avaliação de elenco. Claro que o nome do Honda surgiu em determinado momento até por uma questão de adaptação. O Honda é um jogador que tem uma experiência internacional diversa, já jogou na Itália, Holanda, México, Austrália… O Paulo Autuori tem esse mesmo tipo de experiência. Ambos sabem como é trabalhar em outro país com diferentes culturas. Vai facilitar muito a adaptação do próprio Honda ao Brasil” concluiu.

Fonte: Super Rádio Tupi