Antes mesmo de entrar em campo e encarar os adversários, o meia japonês Honda, reforço do Botafogo, teve de driblar o primeiro obstáculo: a língua. Nesta missão, clube e jogador tiveram a ajuda de uma jornalista famosa na cobertura da seleção brasileira e, assim como o jogador, com Copa do Mundo no currículo.

Banner da loja do FogãoNET para faixa japonesa

Kiyomi Nakamura, que trabalha para as TVs Fuji, NHK, J Sports e Sky Perfectv, acompanha a equipe Canarinha desde 2001 e foi a tradutora na apresentação do novo camisa 4 alvinegro. A ajuda, inclusive, aconteceu meio por acaso.

“Quando o Botafogo divulgou que havia contratado o Honda, eu entrei em contato com o clube para saber informações sobre a chegada, apresentação e essas coisas, pois tinha interesse de fazer a cobertura. Nesta conversa, eu falei que, se eles precisassem de alguma ajuda, poderiam me contatar. Depois, acabaram entrando em contato”, lembra ela, que completa:

“Eu fiz com maior prazer, fiquei muito feliz de fazer parte desse momento, de um jogador japonês chegando ao Brasil”.

Kiyomi Nakamura, que já chegou a ser apontada como “queridinha de Felipão”, salientou que não conhecia Honda pessoalmente até a apresentação do meia no Botafogo.

A jornalista ressaltou ainda que houve uma curiosidade grande dos japoneses em relação ao Botafogo e ao futebol brasileiro.

Banner da loja do FogãoNET para faixa japonesa

“Foi muito boa [vinda do Honda]. Antes, muitos brasileiros jogaram no Japão e, agora, tem um jogador japonês no Brasil. No Japão, acostumou-se a acompanhar muito o futebol europeu e essa contratação do Honda despertou mais a curiosidade sobre o Brasil e o Botafogo. Muitos me procuraram para querer saber do campeonato, como o Botafogo foi ano passado… Passaram a procurar informações”, salienta.

Questionado sobre o que já sabia falar em português, Honda arriscou algumas poucas palavras. Kiyomi, porém, não acredita que este seja um obstáculo para ele nesta passagem pelo futebol brasileiro.

“Se outro japonês chegar ao Brasil, acho que será muito difícil [a questão da língua], mas no caso do Honda não será um grande problema. Ele fala bem o italiano, fala bem o espanhol, fala fluente o inglês. Acho que não será algo que ele terá como obstáculo”.

Fonte: UOL