Das 18 contratações que o Atlético realizou em 2018, os erros de aposta ficaram evidentes nas saídas precoces de jogadores como Samuel Xavier, Arouca e Erik. Este último conseguiu uma retomada na carreira ao seguir para o Botafogo. Emprestado pelo Palmeiras aos dois alvinegros no ano, ele termina a temporada em alta.

No Galo, a revelação do Goiás que custou R$ 13 milhões aos cofres de Palmeiras/Crefisa, não conseguiu vingar. Teve chances como titular no primeiro semestre, mas foi repassado ao Botafogo. Na última rodada do Brasileirão, no embate entre os dois, não pôde entrar em campo para a sequência da boa fase. Pelo Fogão, foram cinco gols em 17 jogos (além de quatro assistências). Pelo Palmeiras e Atlético, foram cinco gols (dois com a camisa do Galo) em 73 jogos.

Valorizado, dificilmente o Botafogo conseguirá ficar com o jogador, que já postou até mensagem de despedida do time da estrela solitária. Voltará ao Palmeiras, para ser opção de Luiz Felipe Scolari, que contratou Zé Rafael e Arthur Cabral, além de se aproximar de Carlos Eduardo – ex-Goiás – e ter acertado com Matheus Fernandes, que pertencia ao Fogão.

“Fui muito feliz nas minhas atuações individuais. E meus companheiros foram importantes também para que eu conseguisse jogar bem. Parece que foram anos e anos que estive aqui com a camisa do Botafogo”, afirmou o jogador, no Instagram.

Aos 24 anos, Erik surgiu juntamente na mesma época de Clayton, revelação do Figueirense que o Atlético conseguiu trazer em 2016. Ambos, porém, não conseguiram atingir o patamar esperado neste momento da carreira. Clayton voltará ao Galo em 2019, caso o Bahia não faça proposta de renovação após período de empréstimo.

Fonte: Hoje em Dia