Revelado no Botafogo em 1987, Fabiano Soares, atual técnico do Atlético Paranaense, reencontrará o primeiro clube da carreira neste sábado, ás 17h (horário de Brasília), no Nilton Santos, pelo Campeonato Brasileiro. A partida reserva sentimentos diferentes para o treinador. O Alvinegro era o time da infância do comandante rubro-negro.

Com 20 anos, Fabiano prestou vestibular para cursar Educação Física. A aprovação de uma das faculdades, no entanto, não rendeu a felicidade esperada e a família foi procurar entender o motivo. E descobriram. O sonho do jovem botafoguense era ser jogador de futebol.

Mesmo aprovado para cursar Educação Física, Fabiano Soares trancou a matrícula e se arriscou no futebol. Foi aprovado justamente no Botafogo, onde atuou pelos profissionais em duas passagens: em 1987, seu primeiro ano como jogador, e entre 2001 e 2002, quando retornou da Espanha por empréstimo.

A vida profissional de Fabiano, no entanto, foi construída na Espanha. Foram 12 anos entre Celta de Vigo e Compostela, clube pelo qual jogou 9 anos e é um dos principais jogadores da história – é quem mais atuou com a camisa do clube da Galícia na elite espanhola, com 146 jogos.

E foi na própria Espanha que deu início à carreira de técnico de futebol. Começou no próprio Compostela e, depois, migrou para Portugal. Os anos entre Brasil e Península Ibérica deixaram o vocabulário de Fabiano inusitado aos ouvidos dos brasileiros. Um exemplo disso é a palavra utilizada pelo treinador para se referir ao adversário: “contrário”. Por várias vezes ele mistura palavras nesses idiomas.

Pelo Botafogo, time da infância, foram 24 jogos no Brasileirão de 2001, justamente o ano da conquista nacional do Atlético, clube atual. Fabiano, inclusive, esteve em campo pelo Alvinegro diante do Furacão de Kléberson, Kléber e Alex Mineiro, na derrota carioca por 3 a 1 em jogo no Maracanã.

Após 15 anos, voltou ao Brasil e acertou com o Atlético. Ele foi uma sugestão de Paulo Autuori, campeão brasileiro pelo Botafogo em 1995 e também com ligação forte com o clube. Fabiano Soares, evidentemente, é um profissional do esporte e o clube do coração, hoje, fica em segundo plano. Mas o carinho pelo time de infância persiste e é passado por gerações. Ele tem duas filhas e ambas vestem a camisa do Alvinegro em perfis de familiares nas redes sociais.

Fonte: UOL