Se o ataque ajudou o Botafogo, também quase tirou um placar construído na raça. A individualidade dos jovens atletas, como Fernandes, Neilton e Ribamar, quase prejudicou a equipe. Preocupado para que isso não volte a acontecer, o técnico Ricardo Gomes vai usar os vídeos da partida contra o Internacional para chamar a atenção dos atletas. A ideia é mostrar aos jogadores que o individualismo não é a melhor decisão, mas, sim, o coletivo.

— A experiência não se compra na farmácia. O cara pode estar sozinho e errar o passe. Hoje, perdemos várias oportunidades — analisou o treinador. — Mas são jogadores jovens, que estão muito cedo nessa luta, nessa pressão. Consequentemente, esse é o preço a pagar. Mas conversar com eles.

Na visão de Ricardo Gomes, é preciso ter paciência. Mas o lateral-esquerdo Diogo Barbosa se queixou dos gols desperdiçados pelos atacantes, muitos deles por causa do individualismo.

— Ganhar sempre é bom. Mas com um placar de 2 a 0, deixar os caras chegar, não pode acontecer. Deixar o time cair desse jeito, por falta de competência de marcarem lá na frente, não dá — afirmou o lateral.

Mas apesar dos erros, os acertos também foram elogiados. O contra-ataque se tornou uma nova arma do Botafogo, que o técnico vê com bons olhos para ser explorada contra os demais adversários no Brasileiro.

— É verdade que não temos costume de jogar no contra-ataque, mas aconteceu. Tivemos muitos espaços, mas aproveitamos mal. Fora isso, estou contente com a vitória. Estávamos precisando disso. Estamos recuperando jogadores e, consequentemente, a equipe vai crescer.

Fonte: Extra Online