Criticado pela torcida pela exposição do caso Yaya Touré, o vice-presidente comercial e de marketing, Ricardo Rotenberg explicou a situação ao site “Globoesporte.com”. Ele culpou o jogador pelo desfecho positivo para o Botafogo, que acreditava na contratação, mas acabou surpreendido com o anúncio de Leven Siano, candidato à presidência do Vasco, de que o craque jogará no clube em 2021 caso ele vença a eleição.

Rotenberg comentou também a declaração do candidato do rival, de que o Botafogo teria ido pelo caminho errado e “tratado com o cara que cuida das redes sociais do Yaya”. Houve reuniões com Rotenberg, Yaya Touré, Marcos Leite (intermediário) e Leon Mann.

– Yaya delegou ao Leon Mann nossa proposta. Se ele tem mais agentes, é problema dele. O Leon me disse que trabalha há sete anos com Yaya e que o levou para a China. Não acho que nosso caminho foi errado, mas faltou seriedade da parte do Yaya. Ele poderia ir para qualquer time, mas não teve dignidade de nos dar uma resposta. Yaya deu a representação dele para o Leon em nossas conversas – explicou Rotenberg ao “Globoesporte.com”.

O dirigente alvinegro fez fortes críticas a Yaya Touré e o bloqueou no telefone.

– Yaya não merece vestir a camisa do Botafogo. Ele não é um Honda. Graças a Deus é o Honda que está no Botafogo e não o Yaya. Não é a unha do Honda fora de campo. Um sujeito que não quero ver pela frente, estou bloqueando ele no meu celular. No Botafogo ele não pisa mais. Não quero saber de desculpas depois, de falar que se arrependeu – afirmou Rotenberg.

– Eu tenho palavra, tenho consideração pelas pessoas, pela imprensa, pelos clubes coirmãos e espero que o outro lado tenha. Infelizmente, Yaya não tem. É craque dentro de campo, mas ruim fora. Nós nos livramos de um problema futuro. O Botafogo tem homens no elenco. Como disse Heleno de Freitas, o Botafogo não é time para covardes – completou.

Fonte: Redação FogãoNET e Globoesporte.com