O nome Sassá no Estádio Nilton Santos costuma fazer sucesso e dessa vez foi a favor da Portuguesa – já que o xará, ex-Botafogo, deixou o Alvinegro no último ano. O camisa 9 do time insulano marcou os dois gols da equipe no empate da última terça-feira (16). Um deles em erro de Jefferson que, na ótica do atacante, não teve tanta culpa assim no lance. Segundo Sassá, o chute foi venenoso e por isso o goleiro foi enganado.

A jogada em questão foi o segundo gol de Sassá no jogo: uma finalização forte da ponta esquerda em que Jefferson acabou espalmando para o próprio gol. Falhas do arqueiro são raras e a torcida alvinegra presente no Nilton Santos aplaudiu o capitão do time logo após o erro. Sassá diminuiu a responsabilidade do rival e preferiu se valorizar. Segundo ele, a batida na bola foi determinante no equívoco de Jefferson.

– Por ele ser jogador de Seleção, todos estão falando que foi falha. Mas eu fui feliz no chute. Se você reparar a bola foi forte, fazendo curva, a bola estava molhada… Mas como ele é um jogador de Seleção, as pessoas enxergam de outra forma. Não tem problema, foi gol e gol é o que vale – disse Sassá, ainda de maneira tímida.

No primeiro tempo do jogo, a Portuguesa apresentou movimentações e trocas de passes interessantes, que envolveram o Botafogo e encaminharam o placar parcial de 2 a 0 no intervalo. O quarteto ofensivo Maicon Assis, Romarinho, Sassá e Alexandro funcionou no Nilton Santos, teve destaque e se sobressaiu no entrosamento diante de um Botafogo ainda em início de trabalho. Sassá concordou que o tempo maior de treino fez diferença e também exaltou a troca de posições no ataque lusitano.

– A gente se preparou dois meses, né. Não é uma novidade o que aconteceu. A gente veio preparado para o jogo. Foi bom que a análise foi positiva e deram valor a essa situação, de velocidade e movimentação, é agradecer a Deus por tudo e seguir na caminhada no Carioca.

Fonte: FutRio