Um turbilhão de emoções. Assim pode ser considerada a temporada de Sassá até o momento. Desde a pré-temporada até o afastamento por problemas de indisciplina e a recuperação com gols, seguida pelo carinho do torcedor do Botafogo. E nessa sequência positiva do artilheiro que ele assumiu, depois do jogo com o Barcelona-EQU, a artilharia do Gloriosos nesta temporada de 2017.

Na cobrança de pênalti com estilo – que deslocou o goleiro Banguera – Sassá fez o seu sexto gol neste ano, contando todas as competições. Mais que isso, foi o primeiro gol dele nesta edição da Copa Libertadores (lembrando que ele ficou de fora nas primeiras fases). Outros quatro foram no Campeonato Carioca.

Tendo passado a dupla de ataque Rodrigo Pimpão e Roger – que tem cinco gols cada – Sassá acirra ainda mais a disputa no ataque do Botafogo. Até por isso, o técnico Jair Ventura explica as opções e diferenças que vê entre ele e Roger.

– O Roger é mais força, tático, e o Sassá é o cara da última bola, para definir. Ele estava revoltando antes. Perguntei porque ele não dedicou para o Gael (filho que acabou de nascer), e ele falou que estava chateado que perdeu muito gol.

Com a disputa por posição no ataque – em meio a sequência dura de jogos da equipe nas competições que ainda tem por disputar – o botafoguense pode ficar acostumado a ver os dois centroavantes se revezando e marcando gols. Melhor para o clube e para o comandante botafoguense, que ganha opções.

Fonte: Terra