Um dos destaques das categorias de base, Glauber foi vendido pelo Botafogo para o Al Nasr, dos Emirados Árabes, no último domingo. A notícia pegou de surpresa a torcida, que esperava vê-lo nos profissionais antes de uma venda para o exterior.

Glauber formava, ao lado de Pimenta, uma boa dupla nas categorias de base do Botafogo. Mesmo assim, a surpresa tomou conta quando o técnico Tite chamou o primeiro para completar os treinos da seleção brasileira no período em que o time realizou amistosos contra Panamá e República Tcheca. Assim foi apresentado para a maior parte dos botafoguenses.

Zagueiro do sub-20, ele despertou interesse da comissão técnica de Tite após vencer um amistoso contra a seleção sub-17, na Granja Comary. Dias depois o Alvinegro foi procurado e passou mais informações e viu o atleta ser aprovado. Antes de ir para a seleção, no entanto, Glauber acertou sua renovação com o Botafogo até o fim de 2022.

Se tudo parecia caminhar tão bem para uma longa carreira no clube, por que o Botafogo decidiu por vender o jovem por R$ 3 milhões para o Al-Nasr, dos Emirados Árabes?

Inicialmente, Glauber foi vendido porque o Botafogo precisa do dinheiro para ajudar a pagar os salários atrasados. A quantia de R$ 3 milhões equivale a um pouco mais que uma folha salarial do clube – atualmente deve o mês de maio.

Além da questão financeira, o Botafogo também fez avaliações internas de seus atletas. E o perfil de Glauber mostra um jogador com dificuldade de se encaixar em determinadas situações, especialmente no que diz respeito à leitura de jogo.

Fonte: UOL