Em julgamento realizado na última quarta-feira (2), o Tribunal de Justiça Desportiva do Rio de Janeiro (TJD-RJ) absolveu o Botafogo por maioria de votos em processo sobre supostas injúrias raciais proferidas por torcedores alvinegros contra Vinicius Júnior, atacante do Flamengo, em partida entre as equipes pelo Campeonato Carioca, dia 3 de março, no Estádio Nilton Santos.

Na ocasião, o jogador rubro-negro foi hostilizado por botafoguenses na saída de campo após ser expulso, aos 36 minutos do tempo. A denúncia foi feita com base em imagens de televisão e reportagens, após instauração de inquérito, e sugeriam xingamentos de cunho racial. O árbitro do clássico, João Batista de Arruda, relatou que Vinicius deixou a partida “sem problemas”.

O Tribunal se baseou no primeiro depoimento do atacante do Fla, que disse não ter conseguido identificar as ofensas. Ele foi convocado a prestar mais esclarecimentos nesta quarta, mas não compareceu devido à partida contra a Ponte Preta, em Campinas, pela Copa do Brasil. O clube pediu o adiamento da sessão, o que não ocorreu.

O Botafogo havia sido denunciado no artigo 243-G do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) – “praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem étnica, raça, sexo, cor, idade, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência”. Como punição, o clube poderia receber multa de R$ 100 a 100 mil.

Para a defesa do Botafogo, o inquérito mostrou que não havia motivos para a denúncia. “O próprio jogador não se mostrou ofendido. É absurdo ter de defender o clube diante de uma situação dessas. O próprio inquérito mostra que não houve nada que justifique a denúncia”, sustentou o advogado Aníbal Rouxinol.

Fonte: UOL