O bom desempenho do Botafogo nesta reta final de Campeonato Brasileiro livrou o time de novo rebaixamento. Além disso, a arrancada serviu individualmente para vários atletas. Três deles estavam situação bem delicada na avaliação da diretoria e provavelmente seriam negociados. Leo Valência, Marcinho e Gilson, porém, mostraram potencial e ficarão na equipe em 2019.

O caso mais emblemático é o do chileno. Ele chegou ao Botafogo no meio de 2017 e acumulou péssimas atuações pelo clube. Soma-se a isso o alto custo de sua manutenção com seu salário de R$ 300 mil e a situação do camisa 10 não era nada boa. A diretoria já conversava sobre a possibilidade de emprestar o atleta a partida da próxima temporada.

A situação era bem parecida com a de Gilson. O lateral-esquerdo decepcionou ao iniciar a temporada como titular. Vaiado, perdeu espaço e viu o Botafogo trazer Moisés para a posição. O jogador do Corinthians virou unanimidade até essa reta final, quando caiu em desgraça e viu o companheiro brilhar na reta final.

Uma reviravolta, portanto, aconteceu na lateral esquerda. Antes absoluto, Moisés será devolvido ao Corinthians após o fim do empréstimo, em dezembro. Gilson, por outro lado, conseguiu dar a volta por cima e garantir nova oportunidade no Botafogo. Apesar disso, a diretoria deverá procurar no mercado um atleta para disputar a posição.

Quem também renasceu foi Marcinho. Se antes o jogador era obrigado a lidar com vaias e xingamentos, agora a história é diferente. O lateral-direito, que foi elogiado por Tite, mostrou clara evolução em um dos seus principais defeitos, a marcação. Isso evidentemente tem total ligação com a melhora da equipe, que se tornou muito mais organizada a partir da vitória sobre o Corinthians.

Fonte: UOL