Túlio Lustosa explica que problema judicial com Botafogo foi resolvido e fala de S/A

0 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Túlio Lustosa - Botafogo
Vitor Silva/Botafogo

Túlio Lustosa por um tempo foi desafeto do ex-presidente do Botafogo Carlos Eduardo Pereira. Cobrando dívidas na Justiça e representado pelo advogado Theotônio Chermont, o ex-volante chegou a bloquear os bens pessoais de CEP e Nelson Mufarrej. Entretanto, a disputa judicial ficou no passado.

O novo gerente de futebol do Botafogo explicou o caso e citou seu exemplo para reintegrar jogadores ao elenco, como fez recentemente com Cícero, Helerson e Lucas Campos.

– O atleta quando sai e aciona o clube na Justiça às vezes é marginalizado por parte da torcida. Não é bem assim, por isso como gestor de futebol faço questão de reintegrar qualquer atleta afastado sem motivo justamente para que não aconteçam ações contra o clube no futuro. Não foi esse o caso na época, meu advogado tomou essa decisão e é ele quem sabia os meios jurídicos para vencer a causa. No momento em que foram penhorados os bens dos presidentes, eu me preocupei muito, porque foi uma medida inédita na justiça trabalhista e pedi para que o advogado resolvesse da maneira mais amigável e foi feito um acordo logo depois. A questão está resolvida e nunca levei pro lado pessoal – disse Túlio, ao site “GE”.

Bandana da Costa do Marfim e Faixa Konichiwa da Estilo Piti

Contratado no início do mês, Túlio Lustosa sabe que o Botafogo tem pela frente eleição presidencial em novembro e a possibilidade de mudança para S/A.

– Eu vim sabendo que tem uma eleição no clube no final do ano, meu contrato não é por tempo determinado e, enquanto eu estiver exercendo essa função, a torcida e a diretoria podem esperar muito empenho e comprometimento total. O que vai acontecer no futuro eu não sei dizer, mas sei que tem pessoas muito sérias, competentes e apaixonadas pelo Botafogo lutando para que a S/A seja implementada. Não tenho que me envolver nisso, já tenho meus problemas aqui no departamento de futebol e eu fui contratado para gerir esse departamento – explicou o dirigente, que tem uma grande oportunidade na carreira.

– Depois que eu parei de jogar eu tive várias experiências como gestor de futebol de clubes pequenos, clubes médios, o Goiás para mim foi uma experiência muito enriquecedora. Fiquei três anos no Goiás e fui com a desconfiança de todos por ser jovem, só tinha passado por times menores, mas esses times me ensinaram mais, e hoje eu tenho conhecimento para debater com todos os departamentos dos clubes. Isso me ajudou a crescer e a discutir de igual pra igual com outros departamentos, sei até onde posso cobrar. Vou tentar corresponder toda essa expectativa e confiança. Chego sob desconfiança, claro, tenho poucos trabalhos ainda, mas quero que esse trabalho seja bem executado – concluiu.

Veja como foi a live pós-jogo do FogãoNET de Sport 1 x 2 Botafogo:

Fonte: Redação FogãoNET e GE

Notícias relacionadas